Cassilândia, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

17/07/2008 09:00

Maior colônia brasileira no exterior está nos EUA

Ana Luiza Zenker /ABr

Brasília - Há mais de 20 anos, muitos brasileiros deixaram o país e partiram para os Estados Unidos em busca de melhores condições de vida, fugindo da crise pela qual o Brasil passava, durante a chamada “década perdida (1980)” e o início dos anos 90. De acordo com estimativas do Ministério das Relações Exteriores, cerca de 1,2 milhão de brasileiros moram nos Estados Unidos atualmente. Os números representam a maior colônia brasileira no exterior.

A presidente do Centro Josué de Castro, de estudos socioeconêmicos, professora aposentada da Universidade de Campinas (Unicamp) e pesquisadora bolsista no David Rochefeller Center for Latin American Studies, em Harvard (EUA) em 2000, Teresa Sales, destaca que a busca dessas pessoas era basicamente por melhores salários.

“As pessoas, em geral, em termos de status social, baixavam de status, eram professores, bancários, pessoas de uma classe média e que lá iam trabalhar no setor de serviços de baixa qualificação, como lavadores de prato, faxineiras.”

De lá para cá, ela destaca a estabilização da economia brasileira e a crise iniciada nos Estados Unidos, junto com a desvalorização do dólar frente ao real, como as principais mudanças. No entanto, mesmo com esses episódios – que chegaram a diminuir as remessas de brasileiros dos Estados Unidos – a professora afirma que não se pode, ainda, dizer que há um retorno significativo dessas pessoas.

Ao contrário, de acordo com ela, a perspectiva agora é a estabilização do fluxo migratório, com a formação de uma segunda geração, os filhos dos imigrantes. “Essa migração foi para ficar, não tem situação boa no nosso país que traga de retorno, trará alguns, mas não a totalidade dos que foram”.

“Os brasileiros que chegaram ainda criança, ou que nasceram lá – sobretudo estes, porque já nascem com a cidadania americana – e que estudam na escola americana, vão ter um domínio do idioma sem sotaque, o que não acontece com a primeira geração, e já vão ser cidadãos americanos, então isso muda inteiramente o quadro”, explica a pesquisadora.

Segundo ela, os que voltam são os que se especializaram no setor financeiro e já vêem no Brasil uma oportunidade concreta de bons salários. “Hoje em dia há grandes perspectivas no mercado brasileiro, com a abertura da economia, abertura das empresas na bolsa de valores, toda essa mudança considerável dos padrões da economia”, lembra Teresa.

Outras mudanças também foram constatadas pela professora nos últimos 20 anos. Ela destaca, por exemplo, a maior organização da comunidade. Se no início os brasileiros se vincularam mais a igrejas, hoje têm participação em várias associações. “Hoje em dia as lideranças da comunidade brasileira têm um contato forte com outras comunidades, sobretudo os hispânicos, os latinos que moram nos Estados Unidos. O que é muito importante, comparando ao estágio inicial”, analisa.

Apesar disso, uma característica continua presente: o fato de a maior parte dos brasileiros ainda estar irregular, sem a completa documentação de migração. Isso faz com que a principal demanda desses brasileiros seja exatamente a busca pela regularização da situação no exterior.


Para conhecer um pouco mais quem são os brasileiros que vivem em outros países e as necessidades dessas pessoas, o Ministério das Relações Exteriores organizou a 1ª Conferência sobre as Comunidades Brasileiras no Exterior. Com o slogan “Brasileiros no Mundo”, o encontro ocorre hoje (17), no Rio de Janeiro, e tem o apoio da Fundação Alexandre de Gusmão (Funag).


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)