Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

20/10/2005 14:57

Líderes não entram em acordo sobre mudanças em MP

Agência Câmara

Não houve acordo na reunião de líderes partidários da Câmara e do Senado com o presidente do Senado, Renan Calheiros. Os parlamentares debateram nesta manhã a inclusão de parte do conteúdo da Medida Provisória 252/05, a MP do Bem, na MP 255/05, que regulamenta a tributação dos planos de previdência complementar. A MP do Bem perdeu a validade na semana passada, antes de ter sua votação concluída pelo Congresso. Já a MP 255/05 foi aprovada na Câmara no último dia 4 e ainda não foi votada pelo Senado.
Os pontos que foram debatidos na reunião foram a prorrogação do prazo de pagamento de ações de pequeno valor (até 60 salários mínimos) ganhas em juizados especiais contra a União; a ampliação do teto de faturamento para enquadramento no Simples; e a definição da taxa para a correção das dívidas das prefeituras com a Previdência Social - a oposição quer correção pela TJLP, e o governo, pela taxa Selic.

Divergências
A principal divergência da reunião foi relativa ao adiamento do pagamento de ações contra a União que envolvem valores de até R$ 18 mil. Hoje, essas ações têm que ser pagas em até 60 dias, e o governo quer prazo até o ano seguinte ao da sentença, para que possa fazer uma previsão orçamentária.
Parlamentares da oposição e da base aliada não aceitam a proposta, e alegam que ela prejudica principalmente os aposentados em ações contra o INSS. Foi justamente essa discussão que fez com que a MP do Bem expirasse por falta de acordo.
O líder do PSDB na Câmara, deputado Alberto Goldman (SP), informou que a oposição aceita incluir todos os pontos da MP do Bem na MP 255/05, com exceção das ações de pequeno valor. A dificuldade é que o governo alega que previa uma renúncia fiscal em torno de R$ 3,5 bilhões quando elaborou a MP do Bem, valor que alcançou os R$ 6 bilhões com a ampliação, pelo Congresso, dos setores beneficiados.
O líder do PSB, deputado Renato Casagrande (ES), avalia que a solução é incluir na MP 255/05, que é o primeiro item de votação na pauta do Senado na próxima terça-feira, apenas os pontos que há consenso, com o governo determinando o limite de renúncia fiscal e aceitando a proposta de adiar o pagamento das ações de pequeno valor.

Reportagem - Marise Lugullo
Edição - Rodrigo Bittar

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)