Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/10/2005 14:57

Líderes não entram em acordo sobre mudanças em MP

Agência Câmara

Não houve acordo na reunião de líderes partidários da Câmara e do Senado com o presidente do Senado, Renan Calheiros. Os parlamentares debateram nesta manhã a inclusão de parte do conteúdo da Medida Provisória 252/05, a MP do Bem, na MP 255/05, que regulamenta a tributação dos planos de previdência complementar. A MP do Bem perdeu a validade na semana passada, antes de ter sua votação concluída pelo Congresso. Já a MP 255/05 foi aprovada na Câmara no último dia 4 e ainda não foi votada pelo Senado.
Os pontos que foram debatidos na reunião foram a prorrogação do prazo de pagamento de ações de pequeno valor (até 60 salários mínimos) ganhas em juizados especiais contra a União; a ampliação do teto de faturamento para enquadramento no Simples; e a definição da taxa para a correção das dívidas das prefeituras com a Previdência Social - a oposição quer correção pela TJLP, e o governo, pela taxa Selic.

Divergências
A principal divergência da reunião foi relativa ao adiamento do pagamento de ações contra a União que envolvem valores de até R$ 18 mil. Hoje, essas ações têm que ser pagas em até 60 dias, e o governo quer prazo até o ano seguinte ao da sentença, para que possa fazer uma previsão orçamentária.
Parlamentares da oposição e da base aliada não aceitam a proposta, e alegam que ela prejudica principalmente os aposentados em ações contra o INSS. Foi justamente essa discussão que fez com que a MP do Bem expirasse por falta de acordo.
O líder do PSDB na Câmara, deputado Alberto Goldman (SP), informou que a oposição aceita incluir todos os pontos da MP do Bem na MP 255/05, com exceção das ações de pequeno valor. A dificuldade é que o governo alega que previa uma renúncia fiscal em torno de R$ 3,5 bilhões quando elaborou a MP do Bem, valor que alcançou os R$ 6 bilhões com a ampliação, pelo Congresso, dos setores beneficiados.
O líder do PSB, deputado Renato Casagrande (ES), avalia que a solução é incluir na MP 255/05, que é o primeiro item de votação na pauta do Senado na próxima terça-feira, apenas os pontos que há consenso, com o governo determinando o limite de renúncia fiscal e aceitando a proposta de adiar o pagamento das ações de pequeno valor.

Reportagem - Marise Lugullo
Edição - Rodrigo Bittar

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)