Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/04/2014 16:38

Justiça obriga grávida a fazer parto cesariana contra sua vontade

A Tarde/ Correio do Estado

A Justiça do Rio Grande do Sul determinou que uma mulher grávida de 42 semanas fosse submetida a uma cesariana contra a sua vontade. A decisão foi tomada levando por considerar que a mãe e o bebê corriam risco de morte. Não há informações de outro caso semelhante no Brasil.

Adelir Carmem Lemos de Goes, 29 anos, deixou o hospital Nossa Senhora dos Navegantes, contrariando orientação médica. A obstetra Andreia Castro tinha examinado a mulher e identificado que o bebê estava sentado, o que poderia asfixiá-lo durante um parto normal. A médica também argumentou que Adelir já tinha feito duas cesarianas, o que poderia levar a ruptura do seu útero em parto normal.

Mas a gestante se recusou a continuar no hospital, já que queria ter parto normal. Após assinar um termo de responsabilidade, ela deixou a unidade de saúde. Mas a obstetra procurou o Ministério Público, que acionou a Justiça. A juíza Liniane Maria Mog da Silva aceitou os argumentos e determinou que a gestante fosse submetida a cesárea, mesmo contra sua vontade.

Adelir foi conduzida para o hospital pela polícia. A doula (profissional que acompanha e dá suporte a grávidas) Stephany Hendz, que acompanha Adelir, disse que o bebê estava saudável e com batimentos cardíacos dentro dos padrões.

O bebê nasceu nesta terça-feira, 1º, com 3,65 kg e 49 centímetros. Mãe e filha devem receber alta nesta quarta, 2.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)