Cassilândia, Terça-feira, 22 de Maio de 2018

Últimas Notícias

16/03/2005 09:01

Juiz não pode sentenciar em processo suspenso

STJ

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu provimento a recurso de franqueado da rede McDonald’s contra decisão que julgou procedente o pedido da rede para declarar rescindida a locação de imóvel onde operava uma unidade da lanchonete e decretar o despejo do franqueado do local. A sentença de primeiro grau foi dada enquanto o processo estava suspenso por vontade comum das partes, o que a tornou nula.

A primeira instância, ao apreciar embargos de declaração opostos pelo McDonald’s, desproveu-os sob o argumento de que "o oferecimento da réplica e o pedido de produção de provas formulado pela autora significou o manifesto desejo de que o processo não ficasse mais suspenso, como requerido em data anterior, manifestação inequívoca de que a instrução prosseguisse".

O tribunal local manteve a sentença, acrescentando que "a petição de sobrestamento do feito não foi despachada e ficou prejudicada diante do requerimento seguinte da autora visando o acolhimento do pedido inicial por causa da ‘impontualidade no cumprimento de suas obrigações’. Essa peça tornou prejudicada a anterior".

A ministra Laurita Vaz, em voto-vista, afirma, no entanto, que, "protocolizado acordo firmado entre as partes requerendo a suspensão processual, ao douto magistrado caberia tão-somente receber a réplica ofertada pela McDonald’s Comércio de Alimentos Ltda., já que a esta não competia qualquer outro ato processual, para, depois, suspender o curso do processo. Frise-se, em curso o prazo para réplica, caberia à parte ofertá-la, sob pena de ter esgotado o momento adequado para tanto, de ter precluso o direito de realizar o ato".

Isso porque a doutrina majoritária entende que a suspensão pode ser convencionada, mas o curso de prazo processual já iniciado para, por exemplo, contestar, recorrer ou oferecer réplica, continua a transcorrer. "Não suspenso o curso do prazo, deve a parte apresentar o ato processual pertinente, sob pena de preclusão. Somente depois de apresentados ou após vencido o prazo, o processo será suspenso", esclarece a ministra.

Com esses fundamentos, a ministra, seguida pela maioria da Turma, declarou nulo o acórdão de origem e, conseqüentemente, a sentença de primeiro grau e determinou a suspensão do processo como requerido pelas partes, por 30 dias, para, depois, caso não haja pedido de prorrogação do prazo de suspensão, retornem os autos conclusos para que o juízo de Direito da 33a Vara Cível do Rio de Janeiro profira a decisão.

Murilo Pinto

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 22 de Maio de 2018
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)