Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

05/03/2009 21:00

Juiz despacha processos dentro de presídio em Arapiraca

Migalhas

Desde que assumiu a vara de Execuções Penais da comarca de Arapiraca, no início de fevereiro deste ano, o juiz João Luiz Azevedo Lessa tem chamado atenção para um trabalho que é incomum no país. Todas as terças-feiras, o magistrado e sua equipe de auxiliares passam a manhã no presídio da cidade, despachando processos e recebendo lideranças da população carcerária em uma sala cedida pela direção do local.

Segundo o juiz, o objetivo do trabalho é promover celeridade processual, aproximando a Justiça dos presos de diferentes maneiras. "Fizemos um levantamento e cadastramos informações de todos os presos que ocupam o Presídio Luiz Oliveira Souza, entre condenados e subjudices (presos não julgados)", esclareceu o magistrado. De acordo com as informações já mensuradas, o presídio, com capacidade para 128 detentos, atualmente abriga 200 presos. Desses, 117 são condenados e 83 aguardam julgamento, são os chamados presos provisórios.

No caso dos presos condenados, foram constatados muitos casos de progressões, em que houve mudança de regime fechado para regime semiaberto, e extinções de punibilidade. Quanto aos presos provisórios, o juiz garantiu que está enviando ofícios aos juízes das comarcas para que o andamento dos processos seja mais célere.

"Esses presos deveriam estar na delegacia regional de Arapiraca, mas a unidade carcerária já está superlotada: abriga 80 presos, tendo capacidade para apenas 28", informou Azevedo Lessa.

Reivindicações

Contando com a colaboração da direção do presídio, o juiz e uma equipe reduzida de auxiliares – os promotores aposentados Carlos Jorge Bezerra e José Luis Salvador, além de uma escriv㠖 conseguiram uma sala para se instalarem no local e outra específica para acomodar advogados, que antes ficavam pelos corredores. Durante o dia, reservam um momento para receber os líderes de cada módulo, que aproveitam a oportunidade para reivindicar.

"Essa iniciativa também é maneira de fazer com que os presos sintam a presença da Justiça. Além de pedirem para agilizarmos seus processos, eles pedem ajuda para tirar documentos", acrescentou o magistrado.

Os levantamentos realizados pelo magistrado indicam que 68% da população carcerária de Arapiraca não possui documentos básicos como identidade e CPF. "Já estive com a presidente do TJ/AL, desembargadora Elisabeth Carvalho Nascimento, e ela garantiu a realização de mutirões para regularizar esse problema, que não é exclusividade do presídio daqui", afirmou João Luiz.

Quando iniciou sua gestão, também em fevereiro deste ano, a desembargadora-presidente Elisabeth Carvalho declarou que daria prioridade a ações para minimizar os problemas do sistema carcerário alagoano, solicitando à secretaria de Defesa Social informações sobre os presos do Estado.

Entre elas, o número de presos provisórios, a data da prisão, a tipicidade do delito, os que estão em fase de inquérito policial e os que já estão denunciados, com o processo em tramitação. "Meu objetivo é saber a situação real dos presos provisórios, pois quero iniciar o mutirão com uma noção do que realmente acontece nos presídios e delegacias, e sabermos exatamente como agir", explicou a presidente.

Nos mutirões, as atividades irão além das questões processuais. Em parceria com o projeto Justiça Itinerante do TJ/AL, as ações oferecerão aos reeducandos assistência médica e emissão gratuita de documentos, em todo o Estado. "Assim que recebermos todas as informações que solicitamos à Secretaria de Defesa Social, iniciaremos os trabalhos", enfatizou Elisabeth Carvalho.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)