Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

11/04/2004 09:17

Internet é usada no ensino superior há uma década

Assessoria MEC

Faz dez anos que as universidades brasileiras começaram a utilizar a internet nos cursos superiores a distância. Atualmente, 27 instituições estão credenciadas pelo Ministério da Educação a oferecer cursos de graduação on line. A maioria, no entanto, é dirigida para a formação de professores e ainda utiliza a tradição do material impresso.


Embora especialistas concordem que a internet pode ser um meio de interação num processo educacional de excelente qualidade, o recurso ainda tem uso limitado no Brasil. Um dos motivos é o público que se quer atingir. “As pessoas, em geral, estão em cidades onde não se tem acesso fácil à internet’’, diz Américo Bernardes, diretor do Programa Nacional de Informática na Educação (ProInfo) do MEC. Outro desafio para a utilização adequada da nova tecnologia é que as universidades brasileiras, sejam públicas ou privadas, não têm experiência de produção de material específico para uso na internet. “Geralmente, apenas disponibilizam na rede o conteúdo do material impresso. Assim, deixa de ser explorada uma série de ferramentas que a nova tecnologia permite’’, afirma.


A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por exemplo, atua na formação a distância de professores estaduais por meio do Projeto Veredas. É o terceiro ano que o curso superior de pedagogia, com duração de oito semestres, é oferecido a docentes sem graduação. Ao todo, 15 mil professores serão formados. Os encontros presenciais entre tutores e alunos são programados no início de cada semestre, e ocorrem uma vez por mês. Uma exigência do MEC para autorizar cursos a distância é que pelo menos 20% deles sejam presenciais.


Posto telefônico – “Se o professor-aluno não tem acesso à internet, o material impresso supre essa carência’’, afirma Maria Tereza Amaral, coordenadora da Cátedra de Educação a Distância da Unesco, na Faculdade de Educação da UFMG. Segundo ela, o aluno não perde conteúdo, mas o processo de interação é menos ágil. “Vivemos com a internet, hoje, a mesma dificuldade de acesso que as pessoas tinham com o telefone tempos atrás’’, compara. “Em cidades mais carentes, se não há uma universidade ou um Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE), a população não tem acesso a computadores. É como o posto telefônico de antigamente, local onde se ia para fazer uma simples ligação.’’


São poucos os cursos de graduação brasileiros totalmente on line. Um deles é o bacharelado em administração oferecido pela Associação Internacional de Educação Continuada, em Brasília. O empresário Maurício Rondelli, dono de uma empresa de impressão de projetos de arquitetura e engenharia, é aluno do 4º semestre do curso. “Eu acesso o conteúdo pela internet, faço os testes de múltipla escolha on line e programo as pesquisas e trabalhos com meu grupo de colegas’’, conta. “A vantagem desse tipo de curso é que posso programar meu tempo. Como trabalho o dia todo e minha mulher está grávida, acordo às quatro da manhã para estudar.’’ O curso tem encontros mensais entre os tutores e os alunos.


História – Até o final do século 20, a maioria das instituições de ensino superior no Brasil não tinha envolvimento com a educação a distância. A primeira geração de educação a distância surgiu no país em 1904, com o ensino por correspondência: instituições privadas oferecendo iniciação profissional em áreas técnicas, sem exigência de escolarização anterior. Nas décadas de 70 e 80, fundações privadas e organizações não- governamentais começaram a oferecer cursos supletivos a distância, no modelo de teleducação, com aulas via satélite, complementadas por materiais impressos. A maior parte das instituições de ensino superior, no entanto, só se voltou para a educação a distância com as novas tecnologias de comunicação e de informação. Em 1994, começou a expansão da internet no ambiente universitário. Dois anos depois, a Lei 9.394/96 oficializou a educação a distância no ensino superior brasileiro.


Repórter: Rovênia Amorim

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)