Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

11/07/2006 07:01

INSS:Indeferido pedido de criação de vara especializada

TJMS

O Tribunal de Justiça de MS, indeferiu nesta segunda-feira (10) dois pedidos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS): o primeiro pedindo a instalação de vara especializada no processo e julgamento de causas de cunho acidentário e previdenciário na Capital e a segunda referindo-se a isenção do recolhimento de custas a todas as autarquias e fundações públicas estaduais.

Quanto à vara especializada, o indeferimento do pedido baseia-se no fato de que as varas residuais, responsáveis pela apreciação dos referidos temas têm demonstrado capacidade para atender à demanda que atualmente não se mostra expressiva a ponto de se criar uma vara especializada, sem mencionar o ônus que acompanha tal projeto.

Para se ter uma idéia em 2005 foram distribuídas na comarca de Campo Grande somente 52 ações com os temas mencionados, tornando desnecessário também o direcionamento desses autos para vara específica, já que o sistema de distribuição trabalha justamente para evitar a sobrecarga em uma única vara residual, mantendo o equilíbrio para o trabalho nos cartórios e para os magistrados.

Para fundamentar a negativa do segundo pedido o Tribunal informou que apesar da isenção do recolhimento de custas ser tema apreciado tanto pelo Judiciário estadual quanto nacional, contudo, não encontra respaldo na legislação vigente.

A Carta Magna, em seu artigo 24, inciso IV, concede aos Estados a competência para legislar sobre sua organização judiciária. Na prática, em Mato Grosso do Sul a lei nº 1.936/98 dispõe sobre a obrigatoriedade do recolhimento de custas e, nem mesmo nas exceções, contempla autarquias e fundações com a requisitada isenção.

O Tribunal entende que cabe apenas à Administração Pública realizar aquilo que a lei determina e previamente autoriza, sob pena de invalidação dos seus atos, o que novamente remete à impossibilidade do pedido em face da inexistência de dispositivo legal autorizador, sob pena de afronta ao princípio da legalidade.

Por fim informa ainda que o assunto encontra-se já definido por súmula do STJ onde estabelece que o “INSS não goza de isenção do pagamento de custas e emolumentos nas ações acidentárias e de benefícios propostas na justiça estadual”.

Autoria do texto:


Secretaria de Comunicação Social

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)