Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/09/2005 10:32

Inocêncio explica aposentadoria dos deputados federais

Agência Câmara

Responsável pela parte administrativa da Câmara, o primeiro-secretário da Casa, deputado Inocêncio Oliveira (PL-PE), explicou hoje que a aposentadoria do parlamentar é um direito adquirido - mesmo quando o deputado tenha renunciado ou perdido o mandato.
O procurador-geral do Ministério Público, Lucas Furtado, entrou com representação no Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo revisão de benefícios já concedidos, como, por exemplo, o do ex-presidente do PL, Valdemar Costa Neto. Costa Neto renunciou ao mandato de deputado para evitar uma possível cassação.
No documento, o procurador-geral solicita também o exame de casos mais antigos de parlamentares que obtiveram a aposentadoria após renunciar ao mandato ou que foram cassados por quebra de decoro parlamentar. Entre eles, está o ex-presidente da Câmara Ibsen Pinheiro.

Mudança nas regras
Inocêncio explicou que os parlamentares conseguiram a aposentadoria porque não sacaram os recursos recolhidos para o Instituto de Previdência dos Congressistas (IPC), extinto em 1997. "O deputado não recebe a aposentadoria integral, mas proporcional ao tempo que contribui ao órgão previdenciário da Câmara e do Senado, o antigo IPC", justificou.
Antes da extinção do IPC, para se aposentar com vencimentos proporcionais, o parlamentar deveria ter 50 anos de idade e no mínimo 8 de contribuição. Já para ter vencimento integral, era necessário contribuir por 30 anos.
Após 1997, as regras para aposentadoria de congressistas mudaram. O parlamentar precisa ter no mínimo 35 anos de contribuição para a previdência e 60 anos de idade. Quem obteve mandato já com as novas regras pode obter aposentadoria proporcional como parlamentar correspondente a 1/35 por ano de mandato.

Opção
Caso volte a ser eleito, o parlamentar terá de optar entre o salário ou a aposentadoria. Quem deixou a Câmara e já recebe outra aposentadoria também deve optar. Este é o caso do ex-presidente Severino Cavalcanti, que já recebia aposentadoria como deputado estadual em Pernambuco.
O ex-presidente do PTB Roberto Jefferson também protocolou pedido de sua aposentadoria. Ele estava no exercício do sexto mandato quando a Câmara decidiu por sua cassação. O nome de Jefferson, no entanto, não é citado na representação no TCU. Outro político envolvido na atual crise política, o ex-presidente do PT José Genoino se aposentou por ter contribuído como deputado por 16 anos no IPC.




Reportagem - Lucélia Cristina
Edição - Francisco Brandão


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)