Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

08/12/2013 09:29

Inapto Temporário

Rosildo Barcellos

Assunto sério, preocupante e que as pessoas já estão percebendo a insistência desta questão batendo nas portas de nossas casas. São 28 milhões de pessoas, no Brasil, que tem um familiar que é dependente químico. São dados fundamentados no Levantamento Nacional de Famílias dos dependentes químicos realizado pela Unifesp. As famílias foram ouvidas em 23 capitais do país e o estudo foi feito entre junho de 2012 e julho de 2013. Neste universo, a Polícia Rodoviária Federal contribuiu realizando exames toxicológicos com profissionais do volante, em ação voluntária e cujo resultado também foi alarmante, posto que, um a cada três motoristas conduzia seu automotor sob efeitos de psicoativos. Entre os tipos analisados laboratorialmente estavam álcool, maconha, anfetaminas, cocaína, crack e merla.

Um dos objetivos da utilização das substâncias seria aumentar o tempo de vigília.

Destes, uma boa parcela utiliza estimulantes sintéticos, usualmente encontrados em medicamentos anorexígenos que são utilizados em ações de emagrecimento. A anfetamina, um destes princípios ativos, foi sintetizada em 1887 e apresentada ao mercado na década de 30 para tratamentos de congestão nasal, tendo um bom crescimento de sua aceitação na segunda guerra mantendo combatentes em alerta. O problema aumenta quando há a associação com outras substâncias modificando a sensibilidade do motorista na condução de seu veículo. Agora some a isto uma frota envelhecida, sem manutenção preventiva, com rodovias sem sinalização adequada e também dificuldades de manutenção e reparos, principalmente em épocas de chuva. Um exemplo bem prático é que um anfetamínico age na pupila induzindo a midríase e este efeito, a noite, tem uma conseqüência nefasta devido ao ofuscamento com a luminosidade dos veículos que seguem em sentido contrário, provocando freadas sem motivo aparente, alteração na percepção e no tempo de reação.

Com fulcro nestes motivos o Contran - através da Resolução 460/13 fixou a exigência de apresentação de exame toxicológico para condutores com CNH categoria C, D e E que desejarem renovar a CNH ou realizar adição de categoria, a partir de 22 de junho de 2014. Vejo como um esforço muito interessante do órgão consultivo e normativo máximo do Brasil, até porque um dos subscritores da norma é o preclaro amigo e colega de instrução: Pedro de Souza da Silva, um dos grandes estudiosos das questões de trânsito no País e que a subscreveu pelo Ministério da Justiça. Com os dados do Ministério da Saúde em 2010 o número de acidentes envolvendo veículos de grande porte (caminhões e ônibus) chegou aos expressivos 9783 casos.

A titulo de lembrança, sinopticamente, a categoria C corresponde ao condutor de veículo motorizado utilizado em transporte de carga em que o peso bruto total exceda a 3500 Kg. O motorista deve estar habilitado pelo menos um ano com CNH B. Na categoria D, o condutor de veículo motorizado utilizado no transporte de passageiros em que a lotação exceda a oito lugares, sem contar o motorista. Deve ter no mínimo um ano na categoria C ou dois anos na categoria B.

Já a categoria E, o condutor de combinação de veículos em que a unidade tratora se enquadre nas Categorias B, C ou D e cuja unidade acoplada, reboque, semi-reboque ou articulada, tenha 6000 Kg ou mais de peso bruto total, ou cuja lotação exceda a oito lugares, ou, ainda, seja enquadrado na categoria trailer. Por fim, o candidato que não apresentar o exame toxicológico de larga janela de detecção será considerado inapto e inabilitado. Sendo Inapto temporário, fica facultado um novo exame, decorridos noventa dias.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)