Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

09/10/2004 10:52

Guinness Book: Brasil tem o maior índice de desmatamento

Lana Cristina/ABr

O livro dos recordes, Guinness Book, edição de 2005, será publicado em novembro com um dado nada digno de orgulho para o Brasil - o país apresenta o maior índice de desmatamento do planeta. Florestas que ocupavam uma área do tamanho do Estado de Sergipe desapareceram anualmente do território entre 1900 e 2000, segundo registra a publicação. A média anual de perda de florestas foi de 22.264 mil Km² no período.

Pesquisadores brasileiros confirmam a informação. A Amazônia perdeu 17% de cobertura florestal, principalmente nos últimos 50 anos. Juntos, os biomas Mata Atlântica, Amazônia, Cerrado e a formação florestal Araucária perderam 3,6 milhões de km². O pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Carlos Nobre, admite que o Brasil tem a maior área desmatada em função do tamanho do país.

Nobre reconhece que os dados do Guinness não são dignos de comemoração, mas lembra que o desenvolvimento de países como os Estados Unidos e os países de toda a Europa se deu às custas da devastação ambiental de suas áreas. Os EUA têm muito pouco de sua cobertura vegetal original, muito desmatada no século 19, para dar lugar às plantações agrícolas e, mais tarde, para as indústrias. A Europa perdeu suas florestas desde a Idade Média, devido ao crescimento populacional.

O coordenador do programa Monitoramento do Desmatamento em Formações Florestais na Amazônia Legal (Prodes) do Inpe, Dalton Valeriano, que acompanha o desmatamento na Amazônia, conta que o destino mais comum das terras desflorestadas na região amazônica é a pecuária. Em segundo lugar, vem a agricultura.

Nobre e Valeriano ressaltam que, apesar de os dados refletirem um ritmo preocupante no processo de desmatamento, o Brasil pode figurar em outra lista de recordes. É praticamente o único país que monitora áreas desmatadas anualmente por imagem de satélite. "O monitoramento começou a ser feito no Inpe em 1977, na escala de 1:500.000. Em 88, ampliamos a escala para 1:250.000", conta o coordenador.

O ritmo de desmatamento na Amazônia se acelerou em escala sempre crescente nos últimos cinco anos. As estatísticas são computadas de outubro a outubro, por isso, os dados se referem ao monitoramento de dois anos correntes. Em 2002/2003, por exemplo, a taxa de desflorestamento na região foi de 23.750 km². A avaliação de 77 a 88 não foi anual, daí o motivo de o Inpe apresentar o índice de desmatamento do conjunto dos 12 anos, que foi de 21.050 km². Ou seja, a pressão pelo uso da terra de uma forma não-florestal tem aumentado a cada ano, tanto que o patamar de desmatamento atual, por ano, é superior ao registrado em toda uma década.

Os dados do Prodes revelam que de 89 a 94 os índices se mantiveram numa média de 14.242 km². Curiosamente, a taxa de deflorestamento de 94/95 foi de 29.059 km². Como fruto de mera especulação, sem comprovação científica, o salto é tido por especialistas como reflexo do Plano Real, que capitalizou agropecuaristas e a sociedade como um todo. Os dois próximos registros (95/96 e 96/97) caem, respectivamente, para 18.161 km² e 13.227 km², para, nas seqüências, apenas subir até chegar ao índice de 23.750, registrado em 2002/2003.

A Amazônia Legal tem hoje 615 mil km² desmatados. Sua área original era de 4,9 milhões de km² e, agora, é de 4 milhões de km². A diferença entre o tamanho atual e o que foi desmatado é que a Amazônia Legal é também constituída de Cerrado e campos inundáveis, e refere-se ainda a espelhos d'água.

Cerrado e Mata Atlântica

A organização não-governamental Fundação S.O.S. Mata Atlântica divulga como dado oficial, de levantamento feito com base em imagens de satélite e comparação com registros históricos, que a perda do bioma é da ordem de 93%. Os 7% restantes estão protegidos por lei. Estima-se que a Mata Atlântica chegava a ocupar o litoral cearense na época do Descobrimento.

É justamente para não chegar a este nível de devastação, que a ONG Conservação Internacional (CI) tem realizado estudos sobre a perda de cobertura vegetal no Cerrado. Imagens de satélite coletadas em 2002 indicam que o Cerrado perdeu 54% de seus 204 milhões de hectares. "A conclusão é que o Cerrado tem perdido, na média, 1,1% de sua área original ao ano", observa o biólogo Ricardo Machado, diretor da Conservação Internacional para o Bioma Cerrado.

Machado é taxativo ao afirmar que o bioma só existirá em áreas protegidas no ano de 2030, caso o desmatamento continue nos níveis atuais. "O uso do Cerrado pelo agronegócio, principalmente depois que as pesquisas adaptaram a soja para o plantio no país, é praticamente irreversível. Mas temos também que estudar o potencial econômico de determinadas espécies para fazer o que chamamos de uso do Cerrado em pé", defende o biólogo, como alternativa para um uso mais racional do bioma.

O Cerrado tem hoje apenas 5% de sua área protegida e a CI afirma que o ideal seriam 10 pontos percentuais. A ONG vai atualizar o estudo sobre o desmatamento no Cerrado com base em imagens de 2004. O levantamento será divulgado no ano que vem. "Há estimativas da Embrapa indicando que não se sabe exatamente o que se tem em 46% da área do bioma, porque nas imagens de satélite confunde-se árvores com restos árboreos e outros elementos. Pode ser que reste só 30% e, numa estimativa mais catastrófica, só 10% de Cerrado", lamenta Machado.

Remanescentes

O ministério do Meio Ambiente (MMA) terá até o ano que vem um estudo completo que dará a noção exata do que o Brasil perdeu de florestas desde o Descobrimento. O trabalho será feito por instituições de pesquisa que participaram de edital para levantar o mapa dos remanescentes, em cada bioma brasileiro.

Será o primeiro dado oficial sobre a cobertura vegetal do país, seus diferenciais, bem como a distribuição dos biomas. Segundo a gerente do Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira (Probio), Daniela Suárez, o estudo servirá para implementar políticas na área ambiental, em consonância com o desenvolvimento sustentável, e será indicador de qualidade dos ambientes que o brasileiro está ocupando.

O Probio está apoiando o trabalho das instituições que venceram edital do MMA para realizar o levantamento. Os remanescentes da Amazônia serão inventariados pelo Inpe, da caatinga, pela ONG Associação de Plantas do Nordeste, dos Campos Sulinos, pela Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e do Pantanal, pela Embrapa Informática e Agropecuária. O estudo para a Mata Atlântica passará por novo edital por falta de instituição selecionada na primeira fase.

Imagens de satélite de 2002 vão compor o estudo, que será complementado com checagens em campo. "Esse será um diagnóstico completo e fidedigno importante para nos nortear sobre como conservar e como usar", observa Daniela Suárez.

O levantamento dos remanescentes dos biomas brasileiros lançará mão de estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2003 e divulgado em abril deste ano, o mapa dos biomas. "As instituições vão usar os mapas para se localizar e mapear seus limites de investigação", explica a gerente do Probio.

Probio

Criado em 1996, no âmbito da secretaria de Biodiversidade e Florestas do MMA, o Probio tem apoiado projetos que permitam implementar as recomendações da Convenção da Biodiversidade, assinada pelo Brasil na Rio 92. O programa recebeu doações do Global Environment Facility (GEF), uma linha de financiamento a projetos de países em desenvolvimento, e investiu iguais quantias como contrapartida, ao longo de sua existência. Sua execução financeira é da ordem de US$ 20 milhões.

Um dos estudos do Probio foi o inventário, ou seja, levantamento de espécies que ocorrem em áreas determinadas, de todos os biomas brasileiros. Descobriu-se, por exemplo, que há 300 áreas insuficientemente conhecidas. Dessas, 21 foram inventariadas até agora.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)