Cassilândia, Terça-feira, 24 de Outubro de 2017

Últimas Notícias

14/05/2017 07:00

Gratidão é maior presente de mãe que sustenta 6 filhos com R$ 450 na favela

Campo Grande News
Os outros dois filhos de Juliane não quiseram tirar foto por timidez depois de chegarem da escola. (Foto: André Bittar)Os outros dois filhos de Juliane não quiseram tirar foto por timidez depois de chegarem da escola. (Foto: André Bittar)

 

Moradora de um dos barracos no Loteamento José Teruel, no bairro Dom Antônio, extremo sul de Campo Grande, a desempregada Juliane Lopes, de 31 anos, quer nesse Dia das Mães um presente que não custa nada, mas que para ela tem um significado muito especial.

Dos seus seis filhos, ela diz que só espera a gratidão por tanta dedicação, mesmo com uma renda de apenas R$ 450,00 por mês para o sustento da família e diante da realidade pobre de uma favela.

“Eu hoje ainda brinquei com eles se eu não ia ganhar presente de Dia das Mães este ano. ‘Mas como, se a gente nem trabalha, mãe?', eles me responderam”, brinca a desempregada.

Seus filhos tem 3, 4, 8, 10, 12 e 14 anos, sendo quatro meninos e duas meninas. No barraco com ligação de água e energia improvisadas, ela e o marido, que é pedreiro, lutam para não deixar faltar nada ou ao menos o necessário para os filhos.

Juliane explica que a gratidão dos filhos é, na verdade, o melhor presente que poderia querer.

“De [presente] Dias das Mães só espero que eles reconheçam e sejam gratos um dia, por todo esse esforço que a gente dedica a eles, como eu também sou grata a minha mãe. São eles que me motivam a continuar lutando dia após dia, porque tudo que a gente faz é por eles. E é muito difícil a nossa situação”, comenta.

A quantia de R$ 450 mensais é a soma do que recebem dos programas Vale Renda e Bolsa Família. “Mas, meu marido sempre tem os serviços dele como pedreiro e que dão para complementar um pouco desse dinheiro”, diz.

Mas a instabilidade do trabalho como autônomo não é segurança de um retorno financeiro frequente, ela conta. “Essa semana, por exemplo, ele também esta sem emprego”, completa.

Egressa da antiga Cidade de Deus, ela, assim como outras dezenas de famílias aguardam a conclusão das moradias, na região que se tornou a versão um pouco menos precária da extinta favela.

“Sempre que ela ia sendo levantada ocorria algum problema e a obra parava. E continua assim, desse jeito. É uma revolta muito grande”, se queixa diante da casa. E Juliane não nega a dificuldade em criar bem os filhos em uma realidade que é no mínimo preocupante.

No José Teruel, os barracos de lona e madeira que antes ocupavam a Cidade de Deus só mudaram de endereço e hoje, estão “camuflados” nos fundos das edificações que não passam de paredes sem reboco e telhado.

Os arames farpados que cercam os barracos servem de varal e por conta disso, são uma espécie de indicativo onde tem mais gente morando. Os de Juliana estavam cheios durante a visita da reportagem, nesta semana.

A dona de casa havia acabado de estender as roupas dos seis filhos depois de lavar. Faziam companhia a ela os dois filhos mais novos, Carine e Gabriel.

Os outros quatros participam das atividades da ONG Filhos da Misericórdia pela manhã e a tarde, estudam na Escola Municipal Padre Tomaz Ghirardelli no bairro.

“Mas também sou voluntária na ONG. Ajudo a fazer o almoço das crianças e aproveito e levo todos eles para almoçar”, completa. Ela lembra que o Dias das Mães passou a ser ‘dela’ também ainda aos 16 anos, quando teve o primeiro filho.

E desde então sempre foi um dia especial, digno de ser comemorado, mesmo com a falta de dinheiro. Só por parte da mãe, Juliane tem sete tios e todos os anos eles dão um "jeitinho brasileiro", como ela brinca, para se reunirem no almoço de Dia das Mães. Como em qualquer outra família.

“A gente precisa ter um dia para se reunir e comemorar em família então todo ano, vai todo mundo para casa da minha mãe e a gente fica por lá. Esse ano não vai ser diferente”, comemora.

A fotografia com quatro filhos menos tímidos, só foi tirada após a promessa da reportagem de ser o presente de Dia das Mães do Campo Grande News para a família.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 23 de Outubro de 2017
09:00
Cultura
Domingo, 22 de Outubro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)