Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

23/04/2004 15:20

Governo quer súmula vinculante fora de reforma

Juliana Andrade / ABr

O Ministério da Justiça vai tentar reverter no plenário do Senado a aprovação da chamada súmula vinculante, mecanismo que obriga juízes de instâncias inferiores a seguirem decisões do Supremo Tribunal Federal (STF). A medida, um dos principais pontos da Reforma do Judiciário, foi acolhida pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa e agora aguarda aprovação em plenário para ser promulgada. Mas, segundo o secretário de Reforma do Judiciário, Sérgio Renault, até lá o ministério vai trabalhar para tentar retirar a súmula vinculante do texto da reforma. “O Ministério da Justiça vai tentar reverter essa posição, apesar de reconhecer que não é muito fácil. Temos um volume de argumentos muito forte a favor da súmula vinculante”, observou o secretário, durante o 9º Congresso Nacional dos Procuradores do Trabalho.

Renault destacou que nem mesmo no governo federal há um consenso sobre a súmula vinculante, que tem o objetivo de diminuir o volume de recursos e dar maior agilidade à Justiça. “A maior parte dos senadores, pelo menos na CCJ, se convenceu que é uma medida importante para desafogar os tribunais superiores, mas nós vamos tentar usar os nossos argumentos e mostrar que há outros remédios que devem ser utilizados com o mesmo objetivo”, afirmou. Para o secretário, se for aprovado em plenário, esse mecanismo dará “poderes excessivos” ao STF. “É necessário realmente diminuir o número de recursos que tramitam nos tribunais superiores, mas não é possível utilizar um remédio que tenha um efeito colateral tão danoso para o próprio Judiciário”, avaliou.

A expectativa de Renault é que a reforma seja aprovada no plenário do Senado no prazo de 40 dias. Entre os pontos do relatório do senador José Jorge (PFL-PE) mantidos após votação na CCJ, o secretário destacou a criação dos Conselho Nacional de Justiça, órgão de controle externo do Judiciário. “O controle externo é um ponto fundamental para que o Poder Judiciário tenha mais transparência e seja mais acessível à população, mais visível aos olhos dos operadores de direito e esteja submetido a um nível de controle da sociedade”.

Sérgio Renault ressaltou, no entanto, que problemas como a lentidão da Justiça e a demora na tramitação dos processos não serão solucionados com a reforma constitucional. Segundo ele, as mudanças também devem ocorrer na legislação infraconstitucional, com a alteração dos códigos civil e penal, e ainda no funcionamento do Poder Judiciário, com a modernização da gestão.

O secretário disse ainda que a aprovação do projeto sobre a chamada Lei da Mordaça – que proíbe membros do Ministério Público, magistrados e autoridades policiais de fornecerem dados sobre processos em andamento – não está na “pauta de preocupações” do Ministério da Justiça no momento. Segundo ele, a instituição do Conselho Nacional do Ministério Público, órgão de controle externo cuja criação também foi aprovada pela CCJ, já é satisfatória. “O Ministério Público precisa ter liberdade e autonomia para exercer suas funções, mas deve também estar submetido a algum nível de controle da sociedade, para que não cometa excessos”, defendeu.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)