Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

19/09/2003 14:30

Governo aceita negociar reforma , afirma Mercadante

Agência Senado

O líder do governo, Aloizio Mercadante (PT-SP), que participou de reuniões no Palácio do Planalto no dia anterior, afirmou nesta sexta-feira (19) que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva entende que, no Senado, a reforma tributária está aberta à negociação e ao aprimoramento. Citando Lula, Mercadante disse que devem participar desse processo não apenas os partidos da base de apoio ao governo, mas também os partidos da oposição.

- Queremos diálogo para construir com transparência a melhor reforma tributária, que será tanto melhor quanto mais ativamente os partidos participarem. Não haverá rolo compressor, não haverá aprovação açodada - afirmou Mercadante.

Sobre a possibilidade de “fatiar” a reforma, o líder do governo disse que a idéia é aprová-la na íntegra. Porém, ainda que isso ocorra, Mercadante explicou que é impossível implantar a reforma até 31 de dezembro. Por isso, analisou, é importante que as alterações constitucionais sejam aprovadas ainda neste ano.

- Mesmo que a gente consiga aprovar a proposta até o final do ano, a implantação da reforma tributária vai se prolongar pelo ano que vem. Depois, teremos que aprovar leis complementares e lei ordinárias, e o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) terá que pegar 44 alíquotas do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que estão distribuídas em 27 códigos tributários estaduais e transformar em cinco alíquotas. Somente depois, é que vai ser implantado em todos os estado da federação - exemplificou.

Ele destacou a alteração da cobrança do ICMS da origem para o destino, considerando a mudança justa, desde que feita com equilíbrio para preservar os estados que podem perder receita com a alteração. Como vantagem, Mercadante apontou que a alteração elimina a guerra fiscal.

- Nós vamos tentar contornar os obstáculos, para fazer a passagem da origem para o destino, que não estava no projeto original. Podemos concluir esse processo no Senado e permitir que essa mudança seja feita imediatamente, a partir de 2004, ou podemos voltar ao projeto original que apenas unificava as alíquotas, estabelecendo um período de negociação para viabilizar a transição - analisou.

Porém, o líder do governo lembrou que alguns estados ofereceram incentivos fiscais que serão atingidos por essa mudança. Segundo ele, o governo está aberto para estudar essas situações e encontrar um ponto de equilíbrio, eliminando o incentivo sem desestabilizar os compromissos assumidos.

Mercadante criticou a forma como foi aprovado o Fundo de Desenvolvimento Regional, que, na sua opinião, utiliza critérios aleatórios. Exemplo disso, afirmou, é a inclusão do noroeste do Rio de Janeiro entre os beneficiários do fundo.

- É verdade, o Rio de Janeiro tem regiões deprimidas, com uma situação social muito frágil, como têm São Paulo e os estados do Sul. Então, a forma mais adequada de tratar esse problema é definir que o Fundo de Desenvolvimento Regional será limitado às três regiões mais pobres do Brasil. Uma pequena parcela dos recursos desse fundo ficaria destinada a financiar projetos nas áreas deprimidas dos demais estados da federação. Isso sim é um critério transparente, racional, que todos reconhecem como legítimo - sugeriu.


Previdência

Mercadante comentou ainda as regras para o subteto das aposentadorias nos estados, alvo de muitas propostas de alteração.

- Estamos trabalhando, abertos a outras possibilidades, para manter a definição da Câmara de que o subteto do Poder Executivo nos estados será o salário do governador, com a possibilidade de projeto de lei modificar esse critério até o limite do salário do desembargador do estado. Assim, mantemos o critério básico nacional unificado, que são os salários dos governadores, respeitamos a diversidade regional e permitimos uma flexibilização, patrocinada pelo governador até o limite nacional que seria o salário do desembargador no estado - ponderou.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Setembro de 2020
Quinta, 24 de Setembro de 2020
14:18
Luto
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)