Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

13/08/2005 08:01

Goiás: PGR contesta lei sobre gratificação de professor

STF

O procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, ajuizou Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 3551) contra dispositivos da Lei nº 13.909/01 do Estado de Goiás. A norma trata da gratificação de desempenho e progressão na carreira de professor. O ministro Cezar Peluso é o relator.

A ação atende a representação encaminhada pelo Ministério Público junto ao Tribunal de Contas de Goiás. Nela, alega-se a inconstitucionalidade dos artigos 57, parágrafo 1º; 63, parágrafo 1º; e 74 a 77, todos da lei estadual.

A Lei nº 13.909/01 prevê a possibilidade de o governador de Goiás instituir gratificações a professores da rede estadual de ensino, por ato administrativo (artigo 57), e concede poderes ao secretário de Educação para arbitrar os valores das gratificações (artigo 63). Segundo o procurador-geral, vantagens pecuniárias a servidores só podem ser criadas por lei formal e específica (artigo 37, inciso X da Constituição Federal) e não, por ato administrativo.

Já os artigos 74 a 77 disciplinam a promoção na carreira por progressão vertical. Isso implica a investidura de servidores para cargos diversos daqueles para os quais foram admitidos em concurso público, em afronta à Constituição Federal (artigo 37, inciso II). Outro problema apontado é a dispensa de comprovação de habilitação no caso de mudança de professor de nível I para nível II, ou seja, a não-observação da escolaridade exigida para o preenchimento dos cargos.

Souza destaca que a promoção por progressão vertical, modalidade de ascensão de uma carreira a outra, tem sido considerada ilegítima à luz do princípio constitucional do concurso público, conforme entendimento do Supremo, e cita a Súmula 685 da Corte. A súmula diz que “é inconstitucional toda modalidade de provimento que propicie ao servidor investir-se, sem prévia aprovação em concurso público destinado ao seu provimento, em cargo que não integra a carreira na qual anteriormente investido”. A ADI não tem pedido de liminar e, portanto, deverá ser julgada pelo Plenário do Supremo em definitivo.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 11 de Dezembro de 2016
06:04
Fotogaleria
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)