Cassilândia, Segunda-feira, 28 de Maio de 2018

Últimas Notícias

15/06/2004 07:58

Fundação lança concurso sobre história afro-brasileira

Alessandra Bastos/ABr

A Lei 10.639, de nove de janeiro de 2003, tornou obrigatório o ensino da história e da cultura afro-brasileira em todas as escolas da rede oficial, nos níveis fundamental e médio. Mas como incluir a nova matéria nas disciplinas escolares sem livros didáticos sobre o assunto e se os professores também não estudaram a participação negra na história nacional, a não ser pelo viés da escravidão e do preconceito? “Uma Lei é como um barro que a gente joga na parede, se pegar bem”, diz o presidente da Fundação Palmares, Ubiratan Castro, sobre o grande número de leis não colocadas em prática.

Para diminuir a carência de material didático sobre a contribuição negra na formação brasileira e criar suportes pedagógicos aos educadores, a Fundação Palmares lançou, na noite de ontem o I Concurso Nacional para a Produção de Livros e Vídeos sobre História, Cultura e Literatura Afro-Brasileiras para obras inéditas. “Estudos acadêmicos sobre relações raciais existem há uma década, temos que ter uma postura didática para que esse material tenha alcance”, lembra o coordenador do Grupo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade de Brasília (UnB), Nelson Inocêncio. Apesar da Lei ter instituído a obrigatoriedade desde o ano passado, apenas “alguns colégios estão adotando, mas principalmente por iniciativas individuais de professores”, afirma o presidente da Palmares.

O concurso é aberto a todas as pessoas e as inscrições podem ser feitas até o dia 21 de julho. Serão cinco modalidades. O ganhador de cada uma das três categorias para a escrita de livros (história do negro no Brasil, cultura afro-brasileira e literatura afro-brasileira) receberá R$ 20 mil, sendo 30% deste valor entregue no ato da assinatura do contrato e o restante após a conclusão da obra. Para os vídeos (sobre história ou cultura afro-brasileira), o prêmio é de R$ 30 mil, sendo 20% na assinatura, 40% no início das filmagens, 30% no processo de edição e 10% após a conclusão. Os recursos são do ministério da Cultura.

Os trabalhos serão julgados por um comitê criado pelo Centro de Estudos Afro-Orientais da Universidade Federal da Bahia (UFBA) do qual participarão educadores de vários estados. Para a professora de Letras da UFBA, Florentina Souza, a iniciativa “vai contribuir não apenas para a auto-estima, mas para que a história negra possa ser contemplada como parte ativa do discurso brasileiro”, ressalta.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)