Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/12/2009 20:23

Fernandinho Beira Mar deve permanecer em Campo Grande

STJ

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou outro habeas corpus, por meio do qual a defesa pretendia a transferência de Campo Grande para o Rio de Janeiro.

No habeas corpus, com pedido de liminar, dirigido ao STJ, a defesa protestava contra decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que considerou legal a determinação do juiz da comarca daquela cidade que deprecou a execução das cartas de sentença do paciente para o juiz da 1ª Seção Judiciária de Campo Grande.

Ao acolher a admissão da execução da pena, o juiz lembrou que, mesmo custodiado em diversas unidades prisionais no Brasil, o acusado continuou a comandar atividade de tráfico de entorpecente e de lavagem de dinheiro, através dos estados do Paraná e São Paulo, onde mantém homens de sua organização com o objetivo de transportar e guardar o entorpecente.
O magistrado lembrou, ainda, que o afastamento do Rio de Janeiro teve como móvel a inversão permitida pela legislação ordinária e pela lei fundamental que prevê a primazia do interesse público sobre o particular. Segundo informações do processo, com a distância entre o apenado e as bases, foi verificado um enfraquecimento de práticas delituosas tanto no interior das unidades prisionais quanto fora, diminuindo a situação de pânico permanente nas ruas do Rio de Janeiro.

No habeas corpus, a defesa afirmou que paciente está sendo vítima de constrangimento ilegal, pois o STJ teria afirmado em julgamentos de conflito de competência e de habeas corpus que cabia ao juiz do Rio de Janeiro a execução das penas. Para o advogado, as decisões do STJ não estão sendo respeitadas, o que impossibilita a aplicação do parágrafo 2º do artigo 10 da Lei 11.671/2008, que determina: “Decorrido o prazo, sem que seja feito, imediatamente após seu decurso, pedido de renovação da permanência do preso em estabelecimento penal federal de segurança máxima, ficará o juízo de origem obrigado a receber o preso no estabelecimento penal sob sua jurisdição.

A defesa alegou ofensa ao princípio da dignidade humana, pois o paciente encontra-se no Sistema Penitenciário Federal por tempo superior ao legalmente permitido, e a inconstitucionalidade do dispositivo que regulamente o regime disciplinar diferenciado. Afirma que o paciente tem direito de cumprir a pena no seio familiar e que o presídio do Rio de Janeiro é um dos melhores da América Latina, com condições de abrigar internos no regime determinando.

O advogado pediu, então, que fosse declarada nula a decisão que deprecou em definitivo a execução das Cartas de Sentença para o juiz de Campo Grande, determinando sua remoção para uma das unidades prisionais do Rio de janeiro e exclusão do paciente do Sistema Penitenciário Federal. Segundo informação do Juiz da Vara de Execuções Penais da comarca do Rio de Janeiro, o paciente já foi retirado do regime mais gravoso.

Após examinar o pedido, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, conheceu em parte o pedido, mas negou, observando que o juízo da Vara de Execuções Penais do Estado do Rio de Janeiro, por decisão preferida em 11.08.2009, ressaltou a necessidade e prorrogou a permanência do paciente em Campo Grande. “A execução penal em relação ao paciente esta sendo procedida dentro dos ditames da Lei 7.210/84 e 11.671/2008”, considerou o ministro Jorge Mussi, relator do caso. “Não há como se acolher a pretensão contida na impetração”, concluiu.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)