Cassilândia, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

21/01/2007 12:33

Esterilização em massa de mulheres é criticada

Agência Brasil/Daniel Merli

O padre Leo Marga Ashram se levanta para pregar. Não fala de religião, mas sobre a importância do uso de pílulas anticoncepcionais e preservativos. Conta que em seu país, o Sri Lanka, os médicos do sistema público de saúde incentivam a esterilização das mulheres. Ashram defende, em vez da ligação de trompas, o incentivo ao uso de métodos contraceptivos.

Sentada na arquibancada do Moi International Sport Center, complexo esportivo onde se realiza o 7º Fórum Social Mundial, a platéia acompanha atenta o difícil inglês com sotaque do Sri Lanka gritado por Ashram. Uma das presentes é a freira Yohana Temba, da Tanzânia. Integrante da entidade católica Instituto da Vocação Juvenil, a irmã Yohana veio ao país vizinho para “apreender o espírito do Fórum Social e abrir nossas cabeças”.

A freira africana fica impressionada com o relato de seu companheiro de fé sobre a esterilização em massa na Ásia. Mas não concorda com a proposta de incentivo aos anticoncepcionais: “Tudo isso acontece porque não fazemos como nossos ancestrais, que aplicavam a disciplina e o auto-controle”.

Diferente na devoção espiritual, o muçulmano Mohammed Mahuruf concorda com o padre Ashram, seu conterrâneo do Sri Lanka. “Em vez da esterilização, os médicos devem incentivar o planejamento familiar, mostrando as opções como pílula e camisinha”, afirma Mahuruf, da Cordaid, organização não-governamental ligada à Caritas International.

“O problema da religião é que as pessoas não praticam o que lêem na Bíblia”, reclama a ginecologista católica Catherine Lalobo Lore, que fechou sua clínica após 20 anos de trabalho, para se dedicar à educação sexual de mulheres. “Temos uma cultura, na África, em que a mulher é monogâmica e o homem, poligâmico. As mulheres não usam preservativos e acabam infectadas em sua própria cama”, afirma Lore.

Longe da cultura africana, a argentina Lourdes Bagur vive a mesma situação em Córdoba, onde trabalha como assistente social no governo da província. “O mais interessante desses encontros é a troca de experiência para saber o que, apesar de tantas diferenças culturais, temos de comum em nosso dia-a-dia”.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)