Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

06/05/2009 19:57

Espaço: causa de violência entre índios de MS

Daniel Mello , Agência Brasil

São Paulo - A falta de áreas para que os índios da etnia Guarani Kaiowá de Mato Grosso do Sul possam produzir o necessário para a subsistência e abrigar suas famílias de maneira digna e a consequente disputa por terras na região são os motivos do elevado número de homicídios entre indivíduos desse povo, na avaliação de especialistas.

Dos 60 assassinatos de índios registrados em 2008, 42 foram de Kaiowás, segundo dados divulgados esta semana pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Perseguição pelos meios de comunicação locais, discriminação e estupros são outras formas de violência sofridas pela etnia, de acordo com o Cimi.

O antropólogo Rubem Thomaz de Almeida ressalta que “há um problema social grave” em relação aos indígenas que ocupam o cone sul do Mato Grosso do Sul. Thomaz faz parte de um dos grupos de trabalho que estudam a demarcação de novas terras para os Guarani Kaiowás. Segundo ele, a falta de espaço gera conflitos entre as diferentes famílias de índios e também com a população da região.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) é chamada com frequência para apartar conflitos relacionados à posse de terras envolvendo indígenas na região. A chefe do escritório regional da Funai em Dourados, Margarida Nicoletti, atribui as demandas ao fato de os índios viverem em um local “apertado” dentro das reservas.

Além dos indígenas que vivem nas áreas estabelecidas como reservas, há ainda os que montaram acampamentos próximos
à região e que reivindicam parte do terreno. A situação desses grupos é ainda pior, porque o espaço não permite o mínimo de produção agrícola.

A Funai distribui 3 mil cestas básicas por mês para os acampados.“Caso contrário fica difícil a sobrevivência”, ressaltou Nicoletti.

Em março deste ano uma portaria da Funai definiu os procedimentos necessários para a demarcação de novas terras e autorizou a retomada dos estudos paralisados desde setembro de 2008, devido a um acordo entre a fundação e o governo do estado de Mato Grosso do Sul.

Os trabalhos, entretanto, ainda não recomeçaram. A Funai de Dourados não soube dizer quando o processo será reiniciado.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)