Cassilândia, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

29/11/2008 06:03

ENTREVISTA: Walter Roura - Presidente da FIMS

Agência Notisa

Como fazer para que as pessoas se exercitem regularmente?

Realizado entre os dias 18 e 23 de novembro em Barcelona (Espanha), o 30o Congresso Mundial de Medicina do Esporte reuniu mais de 1.200 especialistas de 67 países diferentes e apresentou cerca de 500 estudos diferentes. Na opinião do presidente da International Federation os Sports Medicine (FIMS), Walter Frontera Roura, o evento reafirmou os avanços da área e apontou novos rumos no ano em que a instituição completa 80 anos. Em entrevista à Agência Notisa, Roura fez um balanço das atividades do congresso e defendeu a necessidade de a área expandir-se cada vez mais para além do treinamento de atletas. Durante café da manhã no hotel AC Barcelona, ao lado do Centro de Convenciones Internacional Barcelona (CCIB), o professor da faculdade de medicina da Universidad de Puerto Rico apontou, ainda, o papel que a medicina do esporte pode desempenhar no busca por respostas frente ao envelhecimento da população mundial e o concomitante avanço das doenças crônicas.

Notisa – Como a medicina do esporte pode contribuir para um mundo melhor?

Walter Roura – Este é o tema do congresso, e eu acho que existem diferentes maneiras. Só o fato de nós promovermos a prática de esportes e a participação de inúmeras nações do mundo na área [medicina do esporte] não deixa de ser uma maneira de promover a paz e, esperamos, um mundo melhor.

Notisa – De que forma isto é feito?

Walter Roura – Mais especificamente, no que diz respeito à nossa atuação científica, o que fazemos é promover o exercício, a atividade física e os esportes como uma maneira de melhorar a qualidade de vida. Nesse contexto, há duas grandes vertentes. A primeira é a mais conhecida: os esportes de competição, com as modalidades olímpicas sendo sua face mais visível. A medicina ligada aos esportes olímpicos pode contribuir fazendo com que, quando aumentamos a qualidade de um programa de treinamento e prestamos o atendimento médico que os atletas exigem, possamos diminuir os riscos e recuperar lesões que eventualmente os estão atingindo. Todas essas questões estão relacionadas à tentativa de melhorar a performance dos atletas.

Notisa – E a segunda?

Walter Roura – A segunda linha de atuação é o uso do exercício e da prática de esportes para prevenir e tratar doenças crônicas. O argumento básico dessa abordagem, intimamente ligada à saúde pública, são as inúmeras evidências científicas. Hoje, nós sabemos que, se um indivíduo pratica um esporte regularmente, determinadas doenças crônicas podem ser prevenidas, como doenças cardíacas, diabete, obesidade, hipertensão e até mesmo alguns tipos de câncer. Inclusive acreditamos que este seja um caminho muito importante para a medicina do esporte, o que aumenta consideravelmente o escopo de atuação da área, e inclui aqueles que não são atletas de competição.

Notisa – Quais foram os principais avanços feitos nesse sentido, levando-se em consideração que a medicina do esporte, em geral, é associada apenas ao tratamento de atletas?

Roura – De fato, a face mais comum da medicina do esporte é a atuação voltada para atletas de elite, e eu considero que nós temos que ir além e incluir, como já disse, atividades de promoção do esporte como meio de melhorar a saúde e prevenir doenças. Mas, nos últimos 10 anos, inúmeras pesquisas mostraram que o exercício pode ser usado na prevenção primária de doenças crônicas, ou seja, antes de elas aparecerem, e é importante enfatizar esta questão: que o risco de uma pessoa vir a desenvolver uma doença crônica é mais baixo quando ela se exercita. Isso é algo que nós já sabemos há algum tempo, mas não existiam evidências tão consistentes para determinadas doenças como demonstrado na última década.O segundo ponto é que não se trata apenas de estudos que demonstraram esta a associação entre atividade física e risco menor de doenças. Na verdade, cada vez mais os estudos têm, de fato, investigado intervenções utilizando o exercício como meio de prevenir que um determinado grupo de indivíduos com alto risco para, por exemplo, diabetes venha a desenvolver o quadro. Tais pesquisas têm mostrado que esta é uma estratégia eficaz.

Notisa – Diante do envelhecimento da população, você considera o enfrentamento das doenças crônicas como sendo o grande desafio da medicina do esporte? Além deste, que outros você citaria?

Roura – Você mesmo já mencionou um dos principais: o envelhecimento da população. Por muitos anos, nós focamos na promoção do esporte e da atividade física entre homens e mulheres jovens e saudáveis. Porém, a realidade demográfica nos mostra que o número e o percentual de pessoas nos grupos etários mais avançados está crescendo dramaticamente. Realmente, em muitos países, nas próximas duas décadas, cerca de 25% da população terá mais de 65 anos de idade. Isso está acontecendo em todo o mundo, talvez com exceção de alguns países africanos. Posso dizer que estamos enfrentando o envelhecimento da população, não apenas o envelhecimento de um indivíduo, mas de todas a sociedade.

Notisa – Há mudança de comportamento entre os idosos?

Roura – Isso mesmo, nesse contexto, outro ponto interessante é que este é um processo no qual as pessoas não estão apenas vivendo por mais tempo, elas também estão mais saudáveis, atingindo idades mais avançadas sem doenças crônicas – e elas querem continuar ativas. Em geral, são pessoas que não querem se adaptar a um estilo de vida sedentário, e no caso daquelas que se mantêm inativas, nós devemos contribuir para evitar que isso ocorra, tendo em vista as conseqüências negativas para a saúde.

Notisa –Qual o caminho para oferecer estratégias de atividade para os mais velhos?

Roura – O desafio que se coloca é o de adaptarmos nosso conhecimento sobre exercícios e atividades físicas em populações mais jovens e aplicá-lo aos idosos. É claro que isso demanda novos estudos. Nós não podemos extrapolar dados produzidos com base em um indivíduo de 20 anos para outro com 75. Nos últimos 15 ou 20 anos, foram conduzidas pesquisas significativas mostrando que o exercício pode ser seguro e eficaz em mulheres e homens mais velhos. Tais pesquisas são, em algum grau, independentes dos estudos acerca da relação entre exercício e doenças crônicas. Há, obviamente, uma certa sobreposição, mas existem diferenças significativas. Do meu ponto de vista, este é o principal desafio para o futuro.

Notisa – Mais do que enfrentar o avanço as doenças crônicas?

Roura – Eu colocaria as duas questões na mesma categoria. Eu diria que a medicina do esporte tem que continuar a fazer parte deste esforço em melhorar a performance humana, o tratamento de lesões de atletas. Porém, ao mesmo tempo, ela deve se debruçar sobre essa importante tendência das sociedades. Hoje, nós temos as doenças crônicas e o envelhecimento, e ambos exigem a devida atenção.

Notisa – Durante o congresso, foram apresentados estudos de diferentes áreas da Medicina, como cardiologia, ortopedia, fisiologia e genética. Qual é a importância de um olhar multidisciplinar?

Roura – Eu considero que a abordagem multidisciplinar é a correta, e isso decorre de diferentes fatores. Um deles é o fato de que, nos últimos 50 anos, houve um crescimento dramático da quantidade de informação sobre a saúde e as doenças humanas. É muito difícil para um único indivíduo ter a resposta para um paciente ou uma situação em particular. É por isso que eu acredito que nós precisamos de pessoas com experiências e especialidades diversas para lidar com as necessidades do paciente. Nesse contexto, é fundamental que os diferentes profissionais atuem de maneira coordenada com o objetivo de evitar um tratamento fragmentado. Nós temos que não apenas ter a certeza de que dispomos de indivíduos com o conhecimento e a habilidade necessárias para tratar do pacientes, mas também de que eles vão trabalhar juntos.

Notisa – Isto implica em algumas mudanças, certo?

Roura – Este é um desafio e tanto, pois a medicina tradicional é calcada na abordagem individual do paciente e, hoje, se nós queremos oferecer o melhor tratamento possível, nós temos que trabalhar em equipe. Tal fato não se aplica somente ao atendimento do paciente, mas também à pesquisa. As demandas que se colocam à pesquisa científica exigem especialistas em diferentes áreas. Não é fácil lidar com um problema científico significativo na atualidade sem ter ao lado colegas com experiência e conhecimento em áreas nas quais nós não temos. Não apenas o atendimento médico, mas também a ciência deve ser feita em equipe.

Notisa – Na sua opinião, qual é a principal mensagem do congresso para a comunidade científica e para o público leigo?

Roura – Essa é uma boa questão. Para os médicos, a mensagem parece ser que o conhecimento, na medicina do esporte, tem crescido dramaticamente. Neste congresso, nós apresentamos a eles o estado da arte – nível mais alto de conhecimento e aplicação prática até o momento – em diferentes aspectos da área, e esta é uma informação que ele deve ter em mente em sua prática clínica. Já a mensagem para o público em geral é a de que, como dissemos antes, hoje, nós temos uma extensa literatura científica mostrando que a prática regular de atividade física é boa para a sua saúde e contribui para a prevenção de doenças crônicas importantes.

Notisa – Qual a contramão dessa história?

Roura – O problema que nós temos é que, a despeito de todo o conhecimento publicado em livros e periódicos científicos, a maioria da população mundial não é fisicamente ativa. Um dos desafios que temos, então, é: como fazer com que as pessoas se exercitem regularmente? Como fazer com que elas incorporem a atividade física à vida diária? Essa é uma área de pesquisa que precisa ser expandida, uma área mais comportamental de pesquisa e, a menos que possamos descobrir como fazê-lo, nós alcançaremos apenas um sucesso parcial.

Notisa – A psicologia comportamental não poderia ajudar a medicina do esporte a encontrar tais respostas?

Roura – Eu concordo com você. Essa é uma das áreas que temos que expandir. Precisamos buscar profissionais treinados em psicologia comportamental realmente interessados em descobrir como fazer para que as pessoas se tornem fisicamente mais ativas, como convencê-las a iniciar um programa de exercícios e a manter a atividade física como parte da vida diária. Voltando à importância das equipes multidisciplinares, esta questão comportamental é um ponto que precisa ser encarado, e eu não acho que alguns dos excelentes pesquisadores que temos na área são treinados nesta habilitação em particular. Então o que nós podemos fazer? Nós temos que convidar aqueles que têm este conhecimento e colocar o problema para eles e perguntar: como vocês podem nos ajudar a responder esta questão? Acredito que este é um ponto que pode ser acrescentado aos desafios a serem enfrentados [pela Medicina do Esporte] nos próximos 10 ou 20 anos.

Notisa – Já existe alguma pesquisa nesse sentido?

Roura – Já existem algumas pesquisas, e elas são boas. Mas este tópico exige ainda mais trabalho. Nós precisamos ter uma compreensão muito melhor para fazer isso. Lembre-se de que temos que entender como intervir em diferentes grupos etários, constituídos por homens e mulheres, inseridos em contextos culturais diversos. Uma coisa é promover a atividade física no Brasil, outra é fazê-lo na Índia. Além disso, precisamos de pessoas com o conhecimento necessário e que tenham interesse em identificar fatores que podem predizer quem irá aderir ao programa de exercício? Entre aqueles que não o fizerem, por quê isto ocorreu? O que nós podemos fazer para que eles participem?

Notisa – Esta é uma barreira apenas com relação ao exercício físico?

Roura – Não, esse é um problema que não se restringe ao exercício. Na medicina em geral, os médicos prescrevem as drogas e os pacientes simplesmente não as tomam, por exemplo. É um problema sobre o qual devemos falar. É muito frustrante perceber que nós sabemos como tratar uma doença, nós demos a medicação ao paciente, e ele não a utiliza. É claro que existem razões para isso. Alguns podem não ter o dinheiro para comprar o remédio, outros podem considerar que não é a melhor maneira de tratar a doença. É por isso que considero este um ponto importante para a medicina do esporte. Nós não podemos ignorá-lo, e é um desafio para o futuro.

Notisa – O que se pode esperar para o próximo congresso em 2010, sobretudo levando-se em consideração que ele será realizado no país de origem do senhor (Porto Rico)?

Roura – Eu espero que o próximo congresso seja um sucesso. Para mim, há diferentes fatores. Eu quero assegurar que tenhamos um bom número de participantes e especialistas em Porto Rico. Vou buscar também assegurar o máximo de pessoas da região do Caribe e das Américas Central e do Sul.Levando-se as diversas dificuldades econômicas relacionadas ao deslocamento, eu acho que é importante que congressos dessa natureza sejam realizados o mais próximo possível de diferentes pessoas em diferentes partes do mundo. Viajar não é fácil, logo, nós queremos ter a certeza de que pessoas que talvez não puderam vir para a Europa possam ir ao próximo encontro. Desejamos também, é claro, que o nível científico continue a ser extraordinário, pois o objetivo do congresso é, na verdade, sempre trazer aos participantes a melhor evidência científica possível para embasar o que eles estão fazendo na prática. Por fim, há sempre um componente humano, social no congresso. Queremos que as pessoas se reúnam e conversem umas com as outras. Neste tipo de encontro, todas as atividades sociais fora das salas de conferência estão repletas de discussões científicas, e muitos projetos científicos nascem deste tipo de conversa informal.

Notisa – E do ponto de vista de resultados de pesquisas científicas, o que se pode antever?

Roura – Do ponto de vista científico, há muitas pesquisas que são imprevisíveis, não há como dizer que, em dois anos, que tipo de informações teremos. É isso, inclusive, que faz da pesquisa algo tão interessante. Por outro lado, se você analisar os anais de diferentes congressos ao longo dos anos, irá perceber que há uma evolução de conceitos. Nesse sentido, nós esperamos ver, daqui a dois anos, mudanças nos nossos métodos. Há uma série de tópicos relacionados à genética, por exemplo, que estão se transformando muito rapidamente, e temos certeza de que muitas novas observações poderão ser feitas em 2010.

Notisa – Atualmente, a Internet permite acessar grande parte de toda a literatura publicada sobre um determinado assunto. Nesse sentido, por que organizar um congresso científico ainda é importante?

Roura – Eu entendo o argumento e diria que a publicação eletrônica tornou o fluxo de informação mais fácil e possível realizar uma série de atividades sem viajar. É possível que, em sua Universidade, você possa ter acesso à informação sem nem mesmo ir à biblioteca, pois está disponível na Internet. Porém, isto é parcialmente verdadeiro. A realidade é que, em muitos congressos, os pesquisadores enviam informações que não estão publicadas, talvez até venham a ser publicadas, mas ainda não estão acessíveis. Você pode argumentar, ainda, que basta esperar o congresso terminar e adquirir o livro de abstracts (resumos) e lê-los, mas não é a mesma experiência.

Notisa – Do que mais a internet não dá conta?

Roura – A outra coisa que a Internet não oferece é a oportunidade de encontrar pessoas cara a cara, conversar com elas e, assim, elaborar novas idéias e novos projetos – e isso, especificamente, eu acredito que ainda pode ser mais bem feito em uma situação cara a cara. Eu concordo que a publicação eletrônica tornou nossa vida mais fácil, o acesso à informação é muito mais simples, mas eu não concordo que este seja um motivo para que congressos não mais sejam organizados, ao contrário, eles precisam se multiplicar.

Agência Notisa de Jornalismo Científico (science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)