Cassilândia, Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017

Últimas Notícias

07/06/2013 15:16

Empresa é condenada a cancelar sem ônus 21 linhas telefônicas

TJ/MS

A juíza titular da 7ª Vara Cível de Campo Grande, Gabriela Müller Junqueira, julgou parcialmente procedente a ação movida pelo Centro de Formação de Condutores Windcar contra a Brasil Telecom, condenada a declarar inexistente o débito de R$ 1.135,10 e a realizar a restituição do valor, além de cancelar em definitivo 21 linhas telefônicas móveis sem qualquer cobrança.

A Windcar narra nos autos que, em novembro de 2008, aceitou a proposta da ré de receber 32 aparelhos celulares e 32 chips, sem nenhum custo e fidelização, o qual foi formalizado por um contrato. Aduz que no dia 26 de junho de 2009 solicitou, via telefone, a portabilidade de onze linhas para outra operadora, situação em que foi informado pela Brasil Telecom que não existia nenhum débito pendente e que não seria cobrada multa de quebra de fidelização.

No entanto, depois de ter feito a portabilidade, a Windcar recebeu uma fatura de R$ 1.135,10, com vencimento em 19 de setembro de 2009, referentes aos 21 chips fornecidos gratuitamente pela telefonia e que não foram objetos de portabilidade. A autora afirma que os chips sequer foram utilizados.

Em vista da negativa da ré em cancelar a fatura e diante do risco de ter seu nome inscrito nos órgãos de proteção ao crédito, a empresa autora pagou a fatura. Relatou ainda que foi informada pelo atendimento da telefonia que seria cobrada uma multa de R$ 5.000,00 por quebra de fidelidade. Deste modo, requereu a declaração da inexistência do débito de R$ 1.135,00, e que a ré efetue a restituição em dobro desse valor, devendo ainda cancelar as 21 linhas que nunca foram utilizadas.

Em contestação, a Brasil Telecom alegou que o valor cobrado refere-se ao serviço efetivamente utilizado antes do cancelamento das linhas e a franquia das linhas, mesmo que não utilizadas, uma vez que a Windcar teve conhecimento da franquia quando o contrato foi formalizado entre as partes.

Conforme analisou a juíza, a empresa de telefonia não comprovou a utilização das linhas de celular e não demonstrou uma relação detalhada das ligações, uma vez que não consta nenhuma relação das ligações. Para a magistrada, a falta de comprovação da existência do débito implica na procedência do pedido de declaração de inexistência de débito e de restituição dos valores cobrados indevidamente. Além disso, citou a juíza que a Brasil Telecom não trouxe aos autos nenhum contrato celebrado entre as partes que comprove a previsão de cobrança de franquia.

Processo nº 0060635-22.2009.8.12.0001

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 20 de Outubro de 2017
Quinta, 19 de Outubro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 18 de Outubro de 2017
10:40
Goiás, Distrito Federal e São Paulo
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)