Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

08/03/2005 14:41

Dia da Mulher: camponesas lutam por melhorias no campo

Fabiana Silvestre / Campo Grande News

Buscar incentivos para a comercialização de produtos produzidos por mulheres camponesas é o principal objetivo de Cleuza de Souza Oliveira, de 50 anos, desde que se envolveu com o Movimento das Mulheres Camponesas em Mato Grosso do Sul, há 24 anos. “Precisamos de ajuda para comercializar os produtos e de educação de qualidade, voltada para a realidade do campo. As produtoras sentem falta disso”, explica a dona de casa que trabalha na pecuária leiteira e produz doces caseiros.
Ela lamenta que a falta de incentivos profissionais tem afastado os jovens do campo e pode, num curto espaço de tempo, transformar a área rural em asilo. “Os jovens não se sentem motivados a ficar e produzir, acabam indo para a cidade”, explica. Cleusa conseguiu segurar quatro dos cinco filhos. “Vamos arrumando uma ocupação aqui, outra ali e eles vão ficando. Agora, quero trazer meu outro filho de volta ao sítio”, conta a produtora, que conseguiu convencer o marido a participar dos debates sobre as questões do campo.
Cleuza sempre morou na roça e aponta que poucas “têm sorte” de contar com o apoio da família. “A maioria é muito criticada. Dizem que elas têm que ficar em casa, cuidar dos filhos. Eu fiz tudo isso e ainda arrumei tempo para ajudar as companheiras. A gente sempre arruma tempo”, afirma.
Essa é a mesma opinião de Rosani Marize Haubert Santiago, 40. Mesmo vivendo hoje na cidade, ela fez da luta pelas mulheres camponesas a razão de sua vida. “Não saberia fazer outra coisa”, conta a paranaense, que mora há 16 anos em Mato Grosso do Sul. Rosani lembra que foi criada para ser dona de casa e encontrou no marido apoio para se dedicar a uma causa que, hoje, contagia os três filhos. “Não conseguiria ficar em casa ou andar de salto alto. Amo a militância e isso está passando para meus filhos, que sempre me acompanham nos eventos”.
Segundo ela, nada é mais gratificante do que semear o conhecimento entre as mulheres camponesas, que enfrentam o machismo até mesmo entre as próprias companheiras. “Muitas ainda não entendem nossa luta, mas seguimos em frente”, diz.
Se vale a pena? Para Rosani, não há nada mais gratificante do que semear o conhecimento e resgatar a auto-estima de mulheres sofridas. “A vida no campo é muito dura. Muitas mulheres são chefes de família e enfrentam todo tipo de violência e discriminação. Mas, quando rasgam o véu, ninguém as segura”, conclui.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)