Cassilândia, Terça-feira, 27 de Junho de 2017

Últimas Notícias

17/08/2005 08:08

Depoimento de Lamas frustra CPMI da Compra de Votos

Agência Câmara

O depoimento do ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Compra de Votos foi marcado por evasivas, lamentou o relator da comissão, deputado Ibrahim Abi-Ackel (PP-MG). Essa também foi a opinião de integrantes da CPMI, que não conseguiram de Lamas informações sobre o destino do dinheiro transportado por ele para o PL, que foi sacado de contas no Banco Rural em Brasília ou retirado diretamente da empresa SMPB Comunicação, em Belo Horizonte (MG).
Jacinto Lamas limitou-se a repetir que agiu a pedido do presidente do partido, o ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP), e que em nenhum momento conferiu as quantias que transportava. "Tudo o que recebi repassei diretamente para o presidente Valdemar Costa Neto", disse o ex-tesoureiro, que afirmou desconhecer esquema de distribuição de mesada para parlamentares da base aliada.

Dinheiro ilícito
O deputado Luiz Antonio Fleury (PTB-SP) perguntou a Lamas se ele sabia que o dinheiro que buscava em hotéis e no Banco Rural, sem assinar recibo, era ilícito. O ex-tesoureiro respondeu que partia do princípio que era obrigação do PT lançar os recursos doados. Segundo Lamas, o então presidente do PL, Valdemar Costa Neto, explicou na ocasião que se tratava de um compromisso firmado entre o PL e o PT para saldar despesas da campanha de 2002, quando os dois partidos se coligaram. Porém, o depoente não soube explicar se o dinheiro foi realmente usado para esse fim.
O presidente da CPMI, senador Amir Lando (PMDB-RO), chegou a pedir a Lamas que procurasse dizer a verdade, pois não estava convencendo ninguém com seu depoimento. "Conduzir recursos sem saber quanto é difícil de acreditar", disse Lando.

Paraísos fiscais
Jacinto Lamas confirmou apenas que esteve oito vezes na agência do Banco Rural em Brasília, e que também recebeu dinheiro em dois hotéis da cidade. Da SMPB ele trouxe envelopes contendo cheques, todos nominais à empresa Garanhuns Empreendimentos, Intermediações e Participações Ltda. Essa empresa é suspeita de ser o braço de uma conexão entre o Banco Rural e o empresário Marcos Valério para remessas de valores a paraísos fiscais.
Questionado sobre a origem e o uso dos recursos - que segundo a lista apresentada por Marcos Valério pode chegar a R$ 10,8 milhões -, Lamas salientou que não sabia nada a respeito. Mas admitiu que o PL não enfrentava problemas financeiros à época em que o dinheiro começou a ser entregue (fevereiro de 2003).
Sobre seu próprio patrimônio, o depoente confirmou ter acumulado R$ 1 milhão.

Contatos
Lamas afirmou também que os saques eram feitos por ele depois que o então tesoureiro do PT Delúbio Soares entrava em contato com o presidente do PL. Nesses telefonemas, Delúbio sempre informava onde a quantia seria recebida. Lamas disse que também viu o presidente do PL telefonar para Delúbio, em diversas ocasiões, para cobrar o envio dos recursos acertados.
No depoimento, o ex-tesoureiro do PL confirmou ainda que Valdemar Costa Neto usou dinheiro de uma conta bancária do partido para mobiliar sua residência em Brasília. Essa denúncia foi apresentada pela ex-mulher de Valdemar, Maria Christina Caldeira, em depoimento ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.

Inquérito e ameaças
O senador José Jorge (PFL-PE) sugeriu à CPMI que encaminhe à Câmara pedido de abertura de inquérito administrativo contra Jacinto Lamas. Ele é funcionário da Casa há 29 anos e, segundo o senador, não poderia ter participado de transações relativas a caixa dois de campanha eleitoral.
Antes de iniciar seu testemunho à CPMI, o ex-tesoureiro do PL revelou ter sofrido ameaças telefônicas logo após o seu depoimento à Polícia Federal. Algumas das mensagens teriam ficado gravadas em seu telefone celular. Bastante emocionado, ele disse que, se receber novas ameaças, poderá pedir proteção policial. A sugestão, inclusive, foi dada pelo presidente da CPMI, senador Amir Lando.

Novo depoimento
O depoimento do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, marcado para esta quarta-feira, foi adiado para quinta-feira (18), às 9 horas. O adiamento foi pedido pelo próprio Delúbio, que estava depondo no conselho de ética do PT, em São Paulo. Em ofício à CPMI da Compra de Votos, ele ponderou que não haveria tempo hábil para tomar um avião para Brasília até a manhã desta quarta.


Reportagem - Janary Júnior e Sandra Crespo
Edição - Regina Céli Assumpção

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 27 de Junho de 2017
Segunda, 26 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)