Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/07/2005 08:44

CPI dos Bingos quebra sigilo de 6 pessoas e 3 empresas

Iolando Lourenço, Gabriela Guerreiro e Michèlle Canes/ABr

A Comissão Parlamentar de Inquério (CPI) dos Bingos quebrou os sigilos bancário, fiscal e telefônico de seis pessoas e três empresas. Além do empresário de jogos Carlinhos Cachoeira, acusado de promover lavagem de dinheiro e sonegação fiscal em bingos, também tiveram os sigilos quebrados o ex-secretário municipal de Ribeirão Preto Rogério Buratti, que trabalhava no município na gestão do atual ministro da Fazenda, Antonio Palocci.

A CPI também quebrou os sigilos da esposa de Buratti, Elsa Buratti, e de três diretores da empresa Gtech - responsável por operar o sistema de loterias da Caixa Econômica Federal, investigada por supostamente ter sido favorecida por Waldomiro Diniz, ex-assessor da Casa Civil. A CPI quebrou os sigilos do presidente da Gtech, Antonio Carlos da Rocha, do ex-diretor da empresa Marcelo Rovai, e advogado da Gtech, Enrico Gianelli. As empresas W. Way Informática e BBS Consultores também tiveram seus sigilos quebrados pela CPI.

Em depoimento à CPI dos Bingos nesta terça-feira, José Vicente Brizola, ex-diretor das loterias do Rio Grande do Sul, confirmou que houve arrecadação de recursos provenientes de concessionários públicos para a campanha de candidatos petistas às eleições de 2002. Brizola afirmou à CPI que a própria sede do PT gaúcho teria sido comprada com recursos arrecadados de um "caixa dois". O ex-diretor também disse que houve arrecadação irregular de recursos para a campanha da ex-senadora Emília Fernandes (PT-RS). "Eu fui intermediário dos encontros, mas o filho dela (Carlos Fernandes) é que fazia o acerto financeiro", afirmou.

José Vicente disse que manteve apenas dois encontros com o ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz. Por várias vezes, ele afirmou à CPI que Waldomiro foi "usado" e que agia a mando do deputado José Dirceu (PT-SP) - e teria sido por este fato que Brizola teria mando um e-mail em solidariedade a Waldomiro Diniz. "Ele operava a mando de alguém, alguém da Casa Civil, o atual deputado José Dirceu", disse. O ex-diretor afirmou, no entanto, não ter provas contra o ex-ministro José Dirceu - apenas contra Emilia Fernandes, uma vez que afirmou ter acertado os encontros com os dirigentes das concessionárias de serviços públicos. Brizola disse que, apesar de presidir a loteria, não tinha autonomia sobre as decisões tomadas. "Eu presidia, mas não decidia nada. Meu superior era o secretário de Fazenda do governo do Rio Grande do Sul", afirmou.

Brizola disse que quando ainda era diretor da loteria do Rio Grande do Sul, revogou uma licitação para a tercerização da lotérica de seu estado. Segundo ele, a empresa de Carlos Cachoeira ganhou a licitação e entrou na Justiça quando a operação foi cancelada. "Todo esse processo licitatória foi muito estranho. Primeiro pedem para revogar o edital e depois quando a ação foi ganha na Justiça (por Cachoeira) o estado não recorreu porque tinha feito um acordo com Cachoeira. Ele não acionava o estado e este não recorria", disse.

O senador Tião Viana (PT-AC), vice-líder no PT no Senado, disse que o depoimento de José Vicente nada tem a acrescentar aos trabalhos da CPI já que o depoente afirma não ter provas. Já para o senador Romeu Tuma (PFL-SP), as informações são importantes e mesmo que não haja provas, o simples fato da CPI tomar conhecimento das denúncias já ajudará nas investigações pela Comissão.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)