Cassilândia, Quarta-feira, 27 de Maio de 2020

Últimas Notícias

19/07/2005 08:07

Corregedor nega denúncia e oferece abertura de sigilos

Agência Câmara
Ciro NogueiraSalu ParenteCiro NogueiraSalu Parente

O corregedor-geral da Câmara, deputado Ciro Nogueira (PP-PI), denunciou nesta segunda-feira o que considera uma "operação terrorista" para desviar o foco das investigações da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios. A estratégia, de acordo com ele, ficou evidente com a publicação pelo jornal O Estado de S. Paulo, no último domingo, de uma lista de 22 deputados que supostamente estariam recebendo o "mensalão", entre eles o próprio corregedor.
O deputado negou a denúncia e informou ainda que abrirá mão do sigilo dos seus dados telefônicos e bancários se for solicitado. "Estão querendo montar uma operação para jogar lama em homens de bem. Como isso ocorreu às vésperas de depoimentos importantes da CPMI, é claro que se trata de uma tentativa de tirar o foco da comissão e constranger quem está investigando irregularidades", afirmou o deputado, em entrevista coletiva em seu gabinete.
A CPMI ouvirá o depoimento do secretário-geral licenciado do PT, Silvio Pereira, nesta terça-feira, e do tesoureiro licenciado do partido, Delúbio Soares, na quarta (20).

Investigação
O corregedor prometeu apurar todas as denúncias. "Se pensam que vão me intimidar, estão muito enganados", avisou. "Os deputados que tiverem cometido irregularidades receberão punições exemplares, e quem for inocente será inocentado."
Ciro Nogueira disse ainda que não sabe quem teria passado a relação com nomes de parlamentares para o jornal paulista. "A CPI é composta por homens sérios, mas não pode servir de instrumento para ações desse tipo", ressaltou. "Gostaria de ter uma acareação com o responsável pela lista, mas bandido não aparece para fazer acareação."

Vazamento
Nogueira também falou sobre vazamento de informações, na Folha de S.Paulo, de depoimentos sigilosos concedidos à comissão de sindicância da Corregedoria que investiga as denúncias feitas pelo deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ).
De acordo com o deputado, "se algum integrante da sindicância vazou informações, não deveria ter agido dessa forma". Ele observou que o jornal não divulgou o inteiro teor de nenhum depoimento, mas apenas trechos.
O corregedor informou ainda que não tem o desejo de ser ministro. "Se alguém queria atrapalhar a minha ida para o ministério, não precisaria ter chegado a tanto, pois essa não é a minha intenção", garantiu. Segundo ele, cabe ao partido e ao presidente Lula decidir se o PP deve ou não participar do governo.



Reportagem - João Pitella Junior
Edição - Francisco Brandão

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 27 de Maio de 2020
Terça, 26 de Maio de 2020
14:18
Artigo
Segunda, 25 de Maio de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)