Cassilândia, Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

03/12/2008 17:39

Conselho de Ética absolve o deputado Paulinho Pereira

Agência Câmara

Por 10 votos contrários e 4 favoráveis, o Conselho rejeitou a cassação do deputado Paulo Pereira.
Em menos de uma hora de reunião, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar absolveu nesta quarta-feira o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP) da acusação de envolvimento em um esquema de desvio de verbas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Por 10 votos contrários e 4 favoráveis, a maioria dos integrantes do conselho decidiu rejeitar o parecer do deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que recomendava a cassação de Paulo Pereira nas representações oferecidas pela Corregedoria da Câmara e pelo Psol.

Sem indícios
O advogado de Paulo Pereira, Leônidas Ribeiro Scholz, pediu o arquivamento do processo com o argumento de que não foi provada a existência do esquema de fraude. Segundo ele, auditoria realizada pelo BNDES não encontrou qualquer indício que caracterizasse benefício nos processos de empréstimos para a empresa Lojas Marisa e para a Prefeitura de Praia Grande, indicadas pela Polícia Federal como suspeitas de envolvimento na fraude.

Leônidas Ribeiro acrescentou que o relator não apresentou qualquer prova concreta do envolvimento de Paulo Pereira. "Não foram apuradas provas concretas, houve apenas ilações. Não há base real para acusação contra o deputado Paulo Pereira da Silva", ressalta o advogado.

Para o defensor de Paulo Pereira, o relatório pela cassação "não se sustenta porque a quebra de decoro depende de um fato, não é uma questão de se encontrou ou não prova criminal, mas para constituir a própria quebra de decoro é preciso ter o binômio fato - prova".

Provas
A prova, o relator garante ter apresentado em seu relatório. "Pelo que apurei, o deputado Paulo Pereira da Silva teve envolvimento, sim, protegendo o esquema e se beneficiando", sustenta Paulo Piau.

"Definitivamente as provas existiam. Não era nossa função encontrar prova de crime, nossa função era determinar a quebra de decoro. As provas contra a quebra de decoro estavam no relatório", acrescenta.

Piau chamou a atenção, em sua exposição, para dois cheques, totalizando R$ 82 mil, que foram depositados em favor da Organização Não Governamental Meu Guri, ligada à esposa do deputado Paulo Pereira.

Os depositantes foram João Pedro de Moura - ex-assessor do deputado na Força Sindical, presidida por Pereira - e Wilson Consani, coronel reformado da PM Paulista, que supostamente mantém relações com o deputado acusado.

Operação articulada
Em seu relatório, Paulo Piau afirmou que o exame dos documentos, depoimentos e outros materiais analisados permite dizer que Paulo Pereira atuou no esquema com outras pessoas, as quais ocupavam posição relevante na organização e operavam de forma articulada, praticando tanto o desvio de verbas públicas quanto a lavagem de dinheiro.

Piau rejeitou insinuações de que estivesse sendo motivado por outras pessoas para pedir a condenação, afirmando que o relatório é de sua inteira responsabilidade. "Não comi na mão de ninguém."

Sobre a movimentação bancária da Meu Guri, o advogado de Paulo Pereira da Silva admite o depósito efetuado por João Pedro - de R$ 37.500, mas assegura que foram apresentadas provas documentais de que se tratava da compra de um apartamento.

Parecer vencedor
O presidente do conselho, deputado Sérgio Moraes (PTB-RS), indicou o deputado José Carlos Araújo (PR-BA) para apresentar o relatório do vencedor, ou seja, pelo arquivamento da representação. Moraes marcou reunião para a próxima quarta-feira (10), às 13 horas, quando o parecer de Araújo deverá ser votado.

Aprovado o relatório de José Carlos Araújo, a representação só poderia ser submetida ao Plenário a requerimento de 52 deputados ou de líderes que representem esse número. Dois deputados da oposição votaram contra o relatório, enquanto, da base do governo, apenas o voto do relator foi registrado pela cassação.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 18 de Agosto de 2017
Quinta, 17 de Agosto de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)