Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

30/01/2015 09:01

Como transformar a inveja em um sentimento produtivo

Eunice Mendes

Certo dia, em uma reunião só de mulheres em minha casa, uma amiga fez uma pergunta que me pareceu ao mesmo tempo instigadora e perigosa:

"O que invejamos umas nas outras?".

A pergunta suscitou constrangimento, olhares voltados para o chão, risadas nervosas, desconforto...

Mas, eis que chegou o momento da redenção: uma das integrantes da roda passou a confidenciar o que invejava em relação às demais presentes. Curiosamente, esse início corajoso fez com que, aos poucos, o clima desanuviasse. Em efeito dominó, todas nós começamos a dizer as qualidades que gostaríamos de ter e eram representadas pela colega do lado. Identificamos características como beleza, sedução, facilidade para escrita, criatividade, capacidade para ganhar dinheiro, carisma, simpatia, e assim por diante.

Todas estavam tão à vontade que uma das mulheres não hesitou em reclamar:

"E eu? Ninguém vai falar de mim? O que vocês invejam em mim? Será que eu não tenho nada para ser invejado?".

O resultado não podia ter sido melhor. Estavam ali sete mulheres sem receio de se expor e, de alguma forma, deixando as sombras entre si desaparecerem com a luz que advinha de pequenas frestas abertas em suas janelas. Foi um momento terapêutico e de muita cumplicidade.

E quanto a você, algum dia sentiu-se frustrado porque um colega de trabalho conquistou a posição que tanto almejava ou aquele amigo, com menos experiência e estudo, conseguiu consolidar um patrimônio financeiro maior do que o seu? Já se surpreendeu pensando que venderia 10% da sua inteligência para conquistar maior beleza física e magnetismo pessoal? Experimentou a desagradável sensação de pequenez em uma festa, reunião familiar ou evento social em que alguém brilhou mais que você, mostrando-se comunicativo e cativante?

Se você já se viu como protagonista de cenas como essas ou outras semelhantes, seja bem-vindo ao mundo dos "normais"! A inveja é um dos sentimentos mais comuns entre os seres humanos. Mas por que esse sentimento costuma ser tão constrangedor?

O preconceito contra a inveja é milenar. Nossa cultura estabelece como crença e valor que se trata de um sentimento a ser negado, pois é considerado sintoma de falta de caráter, uma verdadeira anomalia social. Na tradição judaica, por exemplo, a inveja motivou Caim a matar Abel, ao passo que os cristãos a incluíram entre os sete pecados capitais.

Se você acha que estou exagerando, experimente admitir, em um bate-papo com colegas de trabalho, que alguém do staff da mesma empresa desperta a sua inveja. Você correrá o risco de ser alvo de fofocas e receber do grupo uma atitude de isolamento por ser considerado um elemento perigoso à organização. Essa pressão psicológica contribui para alimentar um sentimento de culpa aos nos flagrarmos invejando as habilidades do outro, como se isso representasse uma ameaça às qualidades necessárias para mantermos o status de "pessoas de bem".

É necessário livrar-se da culpa e humanizar a inveja

Nenhum sentimento por si só é bom ou ruim. Tudo depende da forma de administrá-lo. É preciso saber reconhecer e evitar a inveja destrutiva, que nada mais é do que a arma dos incompetentes, cujo gatilho está no prazer pelo insucesso do outro. É um tipo de sentimento relacionado a conflitos internos e corrosivos resultantes do complexo de inferioridade e da autoimagem negativa, podendo gerar ressentimentos e um profundo pessimismo existencial. Sem conseguir sair do lugar, a única válvula de escape é maldizer o sucesso alheio.

Por outro lado, quando bem gerenciada, a inveja pode tornar-se produtiva, tirando-nos do comodismo e nos impulsionando a uma competição saudável para enfrentar desafios. Evidentemente, o processo não é tão simples assim e exige que invistamos pesado em uma reforma íntima.

Imagine-se como um arquiteto, cujo principal projeto é melhorar a sua morada interior. E você pode começar iluminando os cantos mais escuros, como é o caso da inveja. A rigor, o simples fato de reconhecer a sua existência já é uma forma de reduzir as sombras e torná-la um sentimento mais produtivo e enriquecedor.

Eis algumas sugestões para esse trabalho de burilamento interior:

Realize uma autoanálise, avaliando sem preconceitos os próprios sentimentos;
Olhe-se com mais compaixão, procurando aceitar que você não está imune ao sentimento de inveja, o qual é inerente ao ser humano;
Não reprima sua inveja; antes, procure entender o que significa esse sentimento dentro de você e use-o como elemento propulsor para a criatividade;
Reconheça que a inveja pode ser fator de crescimento quando é propulsora de ações para a conquista de desejos;
Procure objetivar o processo de autoavaliação respondendo a questões como: O que invejo é possível de ser conquistado? Que conhecimentos preciso obter? Quais habilidades precisam ser desenvolvidas?
Não sofra pelo sucesso alheio; otimize seu tempo e sua energia traçando metas para atingir seus objetivos;
Não tenha vergonha de perguntar para as pessoas que você considera ter qualidades invejáveis qual é o segredo do sucesso delas;
Conscientize-se de suas habilidades a serem exploradas e valorizadas;
Direcione seus talentos e habilidades em seu próprio benefício;
Tenha coragem para admitir e corrigir suas falhas;
Avalie constantemente os resultados alcançados;
Se sentir necessidade, procure ajuda terapêutica.
Inveja = defeito

- Só o outro possui características positivas a serem admiradas;
- Sou eterno espectador do sucesso alheio;
- Dedico-me a destruir quem tem aquilo que ambiciono;
- Desperdiço tempo, deixando de viver plenamente quem sou e mantendo meus próprios talentos ocultos;
- Tenho desejos, mas não faço nada para conquistá-los;
- Não concretizo meus sonhos e até saboto as possíveis oportunidades.

Inveja = virtude

- Sou capaz de me autoanalisar, sem o perigo do autoengano;
- Esse encontro comigo mesmo estimula meu crescimento pessoal;
- Não sinto dor pelo sucesso do outro; isso funciona como elemento propulsor para minha mudança;
- Equilibro minhas relações interpessoais e realizo movimentos de empatia;
- Aproximo-me mais das pessoas a quem admiro;
- Luto para conseguir aquilo que quero.

Em nossa vida não precisamos ficar como eternos voyeurs rancorosos do sucesso alheio nem nos colocarmos na posição de vítimas abandonadas pelo destino. É possível fazer da inveja uma alavanca que nos conduza a um maior comprometimento com a autorrealização e com um jeito mais produtivo de viver.

Você não é o último ser humano da Terra por sentir inveja, mas pode estar entre os primeiros a transformá-la em fonte de inúmeras vitórias!

Eunice Mendes é atriz, pedagoga e especialista em Comunicação Empresarial há mais de 30 anos com 03 livros já publicados.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)