Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/04/2005 07:23

Comissão aprova ampliação de competência de juizado

Agência Câmara

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio aprovou, na última quarta-feira (6), o Projeto de Lei 4289/04, do deputado Celso Russomanno (PP-SP), que acaba com o valor-limite para ações coletivas ou que tenham interesses "individuais homogêneos" serem analisadas por juizados especiais. A Lei 10259/01, que regulamenta o assunto atualmente, estabelece em 60 salários mínimos o valor máximo das ações, de competência da Justiça Federal, que podem ser processadas e julgadas pelos Juizados Especiais Cíveis.
Caso a mudança seja aprovada pelo Congresso, sindicatos, associações, Ministério Público e outras entidades associativas poderão recorrer a juizados especiais em qualquer ação coletiva ou de interesse individual homogêneo, que tenham origem comum, como o caso dos moradores do Edifício Palace 2. Atualmente, essas ações são restritas à Justiça Comum, mais demorada.

Acúmulo de processos
Ao criar os Juizados Especiais da Justiça Federal, a Lei 10259/01 restringiu somente às pessoas físicas a possibilidade de propor ação, o que seria inconstitucional, na avaliação de Russomano. Para o deputado, o projeto que deu origem àquela Lei buscava desafogar a Justiça Federal de primeiro e segundo graus com a criação dos juizados especiais. A proibição de ações que atendam interesses coletivos nesses juízos, no entanto, anulou essa tendência e provocou um acúmulo de processos individuais, que poderiam ser decididos em bloco.

Justiça mais rápida
O relator da matéria na Comissão, deputado Léo Alcântara (PSDB-CE), defendeu a aprovação da medida argumentando que o Brasil ostenta, simultaneamente, uma Justiça lenta e taxas de juros elevadas. "Desta forma, há necessidade de ações, as mais variadas possíveis, visando dar maior agilidade às decisões judiciais, que é exatamente o objetivo do projeto, cuja importância não pode ser subestimada, porque sua aprovação implicará dar a inúmeros brasileiros a oportunidade de acesso mais rápido e barato à Justiça", diz Alcântara.
Após lembrar que a Constituição garante a legitimidade das entidades associativas para representar seus filiados judicial ou extrajudicialmente, o relator sustenta que o projeto "vem contribuir para tornar mais acessível ao cidadão aquilo que a Constituição Federal já lhe assegura".

Tramitação
O projeto agora será apreciado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, que poderá aprová-lo em caráter conclusivo.



Reportagem - Luiz Cláudio Pinheiro
Edição - Rodrigo Bittar


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)