Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/03/2009 13:00

Com 20% dos abates suspensos, arroba desvaloriza

Fernanda Mathias, Campo Grande News

O processo de desvalorização da arroba bovina, desencadeado no começo do ano, acelerou com a suspensão dos abates pelas unidades do frigorífico Independência, em Anastácio e Nova Andradina. O consumidor já sente os reflexos, com acesso à carne mais barata nos açougues e supermercados.

Conforme dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada ), repassados pelo Sindicato Rural de Campo Grande, a arroba fechou nesta segunda-feira em R$ 69,88, desvalorização de 1% em relação à quinta-feira, quando o Independência suspendeu atividades em todo o País. O preço do bezerro teve retração superior a 2%, caindo de R$ 607,02 no dia 26 de fevereiro a R$ 592,64 ontem.

Desde o início do ano, a redução na cotação da arroba já passa dos 12%. Isso porque vários frigoríficos suspenderam as atividades. O baque maior, porém, veio com a paralisação do Independência. As duas plantas em Mato Grosso do Sul respondem por 1,8 mil abates diários, cerca de 20% dos abates totais do Estado.

Cautela – Com problemas de fluxo de caixa, o grupo Independência recorreu à proteção judicial, pedindo recuperação, que estabelece regras para negociar com os credores. Não há previsão de data para que as atividades sejam retomadas, mas o presidente da Famasul (Federação de Agricultura de Mato Grosso do Sul), Ademar Silva Júnior, alerta:

“É preciso cautela, porque rápido essa situação não se resolve. Será preciso se acomodar ao mercado sem a presença do Independência”. Para ele, é momento do pecuarista se proteger e vender o mínimo possível e manter o boi no pasto até os preços melhorarem. Ademar afirma que com a grande oferta de animais os frigoríficos terão de reduzir os preços da carne para poder escoar a mercadoria.

Carne mais barata – Nos supermercados, alguns cortes já sofreram redução de mais de 15%, segundo o presidente da Amas (Associação dos Supermercados de Mato Grosso do Sul), Adeilton Feliciano do Prado. Ele cita como exemplo o caso de cortes de primeira que eram vendidos por R$ 11,90 e hoje já são encontrados a R$ 9,99.

“Há uma diferença boa para o consumidor”, afirma. Ele teme, porém, que a baixa de preços ao pecuarista traga no futuro uma conseqüência ruim para o consumidor. “Nossa preocupação é com a estabilidade no preço. Não podemos matar o pecuarista porque depois acontece como em 2006, a alta vem de uma vez”, diz.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)