Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/08/2015 13:30

Cistos renais têm tratamentos simples, mas requerem atenção

Portal APCD

A presença de cistos nos rins pode ser mais comum do que se imagina. Estima-se que entre 30% e 50% das pessoas acima de 50 anos apresentem o problema sem saber (a variação da incidência se deve ao fato de não haver estudos recentes e pontuais sobre essa condição).

Essas formações são como bolhas cheias de líquido claro, que surgem por causa da obstrução de um dos milhares de ductos presentes no órgão. A maior parte dos cistos é periférica e, por isso, quase não causa sintomas.

Descobertos normalmente durante um check-up, a partir da realização de ultrassonografia de rotina, as lesões localizadas no rim podem apresentar diversos tamanhos, tendo em média 5 cm, mas podendo variar de 1 cm a 20 cm. “O cisto não deve ser menosprezado por causa da dimensão. Podemos compará-lo, por exemplo, a uma pinta. Quase todo mundo tem, e é possível conviver com ela sem maiores problemas. Ela estará sempre ali, independentemente do tamanho, e a maioria não causa problemas. Mas, de forma frequente, será necessário acompanhar aquelas já existentes e analisar novas pintas a fim de diagnosticar uma possível lesão”, compara Cassio Andreoni, urologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Na maioria das vezes, os cistos renais não têm repercussão na saúde como um todo e raramente provocam dores, sangramento na urina ou pressão alta. Essas condições dependerão da localização do cisto: em casos de incidência de cistos no meio do rim, pode haver compressão das estruturas ao redor, principalmente se houver proximidade das artérias. “É incomum, mas algumas pessoas podem apresentar pressão alta devido à presença do cisto. Também há o risco de comprimir a via urinária e impedir o fluxo da urina, causando dor. Porém, esses dois quadros são raros”, explica Cássio.

Nem todo cisto precisa de tratamento e é possível conviver com ele sem eventuais problemas de saúde – o mais comum é realizar um acompanhamento semestral no início e anual se o quadro se mantiver estável. No entanto, uma punção pode ser realizada se o médico especialista julgar necessário. A intervenção consiste no uso de uma agulha fina, introduzida na região, para sugar o líquido e, posteriormente, injetar uma substância que cola as paredes do cisto. Se o cisto for grande e tiver mais de 500 ml de líquido, o procedimento pode ser realizado por videolaparoscopia.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)