Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

18/06/2004 08:38

CCJ aprova projetos que aceleram os processos civis

Agência Câmara

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania está centrando esforços na votação de alguns projetos que alteram o Código de Processo Civil para garantir uma Justiça mais ágil e mais acessível à população. Nesta semana, sete dessas propostas foram aprovadas pela Câmara. A de maior destaque é o Projeto de Lei 3253/04, do Executivo, que permite cumprir uma sentença judicial sem a necessidade de abertura de um processo de execução. Hoje, o processo de execução é necessário para o recebimento de indenizações ou dívidas, mesmo depois que uma sentença judicial já tenha reconhecido o direito.
Segundo a presidente da OAB/Distrito Federal, Estefânia Viveiros, a mudança vai significar uma economia de até sete anos na tramitação de processos civis que envolvem dívidas e indenizações.

Ações civis públicas
Outro projeto aprovado nesta semana para acelerar o trabalho dos tribunais é o PL 746/03, do deputado Wasny de Roure (PT-DF), que dá prioridade para o julgamento das ações civis públicas. O presidente da Comissão, deputado Maurício Rands (PT-PE), defende o projeto: "a grande vantagem é que a ação civil pública é aquela patrocinada em nome de interesses difusos. Então, ao invés de haver centenas de milhares de ações individuais, um único processo pode reunir a demanda de todos os cidadãos. Isso também contribui para a prestação jurisdicional e para utilizar mecanismos modernos do processo, como nós chamamos as ações coletivas".

Multa por atraso
Nas próximas semanas, a Comissão vai continuar votando alterações no Código. Segundo Maurício Rands, uma delas deve ser o PL 4198/01, do deputado Alberto Fraga (PTB-DF), que aumenta de 1% para 10% a multa para a litigância de má-fé, como o abuso de recursos apenas para atrasar o processo.
"Muitas vezes os advogados ficam propondo recursos que não têm nenhuma possibilidade de êxito, enveredam pela litigância de má-fé, a famosa chicana jurídica", explica Rands.

Recursos aos tribunais
O presidente da CCJ prevê a aprovação também do PL 3615/04, da sua própria autoria, que acaba com a obrigação de haver recursos aos tribunais em todas as ações perdidas pelo Poder Público. "Hoje, toda vez que o Poder Público perde a instância superior é obrigada a reapreciar. Isso atrasa muito o processo, porque muitas vezes a sentença de primeiro grau já é suficiente para elucidar a controvérsia", explica Rands.
Ele afirma que o objetivo da Comissão é aprovar cerca de vinte projetos que mudam o Código de Processo Civil, para aumentar a eficiência dos tribunais.



Reportagem - Alexandre Porto
Edição - Luiz Claudio Pinheiro


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)