Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

17/08/2011 17:56

Cassilândia: TCE rejeita contas de 2009 do município

Assessoria de imprensa do TCE-MS/ Luiz Junot

Durante a sessão do Pleno do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE/MS) do último dia 10 de agosto os conselheiros votaram pela emissão do Parecer Prévio Contrário à Aprovaçãoda Prestação de Contas Anual do município de Cassilândia/MS, referente ao exercício financeiro de 2009, gestão administrativa e financeira do prefeito Carlos Augusto da Silva devido a irregularidades.

De acordo com o relatório-voto do conselheiro Iran Coelho “no seu aspecto formal, a prestação de contas se encontra consubstanciada de todos os demonstrativos exigidos pela Lei federal nº 4.320/64 e, bem assim, pelo Manual de Peças Obrigatórias instituído pela Instrução Normativa TC/MS nº 01/95. No entanto, outros documentos foram solicitados durante a instrução processual, haja vista a necessidade de esclarecimento e comprovação para alguns aspectos levantados pelo Corpo Técnico”.

Segundo o conselheiro relator, “apesar das diversas oportunidades dadas ao titular responsável, este não logrou êxito em sanear a prestação de contas, no tanto que a Análise Conclusiva nº 1863/2011 emitida pelo Órgão de Instrução, conclui que seguem maculando a prestação de contas, as seguintes irregularidades”:

1) – Não encaminhamento do Anexo 01 – Consolidado, conforme preceitua o Artigo 50, II, da Lei Complementar nº 101/2000;

2) – Ausência de comprovação quanto ao cumprimento das determinações do Artigo 58 da lei Complementar nº 101/2000;

3) – O Anexo 13 - Balanço Financeiro da Câmara Municipal registra uma devolução de R$ 23.000,00, importância que não foi lançada no correspondente Anexo elaborado para a Prefeitura;

4) – Valor negativo registrado no Anexo 17 – Demonstração da Dívida Flutuante, da ordem de R$ 7.276,45, referente ao IRRF – Inscrição;

5) – Ausência de esclarecimentos quanto aos valores registrados no Anexo 14 – Balanço Patrimonial (FLs., 355), correspondentes a: Despesas a Regularizar/CM – R$ 30.885,00 e Devedores Diversos/PREVISCA – R$ 121.592,13;

6) – Não apresentação das Receitas e Despesas Previdenciárias, nos termos do Artigo 50, Inciso IV, da Lei Complementar Federal nº 101/2000;

7) – Os valores referentes às Receitas e Despesas Extraorçamentárias apresentadas no Anexo 13 – Balanço Financeiro, não correspondem às respectivas inscrições e baixas registradas no Anexo 17 – Demonstração da Dívida Flutuante;

8) – O total dos Restos a Pagar registrado na Receita Extraorçamentária, na forma do Artigo 103 da Lei 4.320/64, não corresponde com o total da Relação analítica encaminhada;

9) – Não apresentação do Ato legal que autorizou a baixa/cancelamento da Dívida Ativa, no valor de R$ 53.757,79, registrado na Demonstração da Dívida Flutuante, consoante exige o Artigo 105, § 2º, da Lei Federal nº 4.320/1964;

O conselheiro Iran Coelho explica ainda que, “apesar de ter comparecido aos autos, em atendimento à diligência formulada por esta Corte, o ordenador de despesas furtou-se de apresentar documentos e outros esclarecimentos requisitados pelo Órgão Técnico. Calha anotar, que tanto as informações como os documentos reclamados são fundamentais para o esclarecimento e as devidas correções para os fatos apontados pelo Corpo Técnico no curso da instrução processual. Desse modo, o não atendimento à notificação representa óbice a que esta Corte avalie corretamente os informes prestados na prestação de contas”.

Dívida Ativa – O conselheiro relator analisa também que “com base nas informações contidas nesta prestação de contas, constata-se que a atuação do município é ineficiente no que se refere à cobrança dos créditos da dívida ativa”, e acrescenta:

Enquanto as inscrições somaram R$ 437.247,37, o montante efetivamente cobrado responde pelo total de R$ 249.501,19, representando, respectivamente, 29,44% e 16,80%, em relação ao estoque existente em 31.12.2008, da ordem de R$ 1.485.054,19.

Com isso, o montante dos créditos da dívida ativa pertencente ao município de Cassilândia, saltou para R$ 1.619.042,49 em 31.12.2009, representando um acréscimo de 9,02%, em relação ao ano anterior.

Restos a Pagar - Com referência aos pontos registrados nos itens “3” a “9”, o titular responsável limitou-se a responder, apenas: “Ficamos na pendência de responder tal questionamento.”. Apesar de o ordenador de despesas não ter se manifestado a respeito do fato exposto no item “8”, cabe registrar que não existe divergência no que respeita ao montante dos Restos a Pagar, tendo por base os informes constantes do Balanço Financeiro – Consolidado (Fls., 646), e a respectiva Relação Analítica anexada às folhas 149/215, dos presentes autos.

Para a melhor compreensão dos fatos, elabora-se o Quadro a seguir:

E S P E C I F I C A Ç Ã O R$ FOLHAS
Saldo Anterior ( 2008) 1.217.300,03 473
(+) Inscrições no Exercício 2.027.784,39 645/646
(-) Pagamentos 973.124,19 645/646
(-) Cancelamentos 195.429,02 475/476
= TOTAL DOS RESTOS A PAGAR – 2009 2.076.531,21 -

De outra forma, o total dos Restos a Pagar do Exercício de 2009, corresponde ao que está efetivamente demonstrado na “Relação Analítica de Restos a Pagar”, estando assim distribuídos:

E S P E C I F I C A Ç Ã O R$ FOLHAS
Prefeitura Municipal – 2007 17.002,44 149
Prefeitura Municipal – 2009 1.044.264,68 150/193
Fundo Municipal de Investimentos Sociais – 2009 5.629,80 194
Fundo Municipal de Assistência Social 36.850,82 195
Fundo Municipal de Saúde – 2008 31.744,38 197
Fundo Municipal de Saúde – 2009 851.594,96 198/213
Fundo Municipal de Turismo – 2009 4.300,98 214
Previsca – 2009 85.143,15 215
TOTAL DOS RESTOS A PAGAR 2.076.531,21

Quanto aos demais itens: “1”; “2”; “3”; “4”; “5”; “6”; “7”; e “9”, estes seguem comprometendo a regularidade da prestação de contas.

Conclusão – Finalizando, o conselheiro Conclui que “apesar de ter sido garantido ao Chefe do Executivo Cassilandense, Senhor Carlos Augusto da Silva, o direito ao contraditório e à ampla defesa, este não apresentou justificativas ou novos documentos que pudessem elidir os aspectos denegatórios destacados na prestação de contas, o que a torna inapta para ser aprovada por esta Corte Fiscal”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)