Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

16/11/2006 19:11

Cartões - Julgamento da legalidade de cobrança de juros

STJ

As ações que discutem a legalidade da cobrança de taxas de juros superiores a 12% ao ano, sua capitalização e incidências de encargos moratórios nas operações financeiras envolvendo cartões de crédito que tramitam na 4ª e 6ª Varas Empresarias do Rio de Janeiro devem ser reunidas perante o juízo da 3ª Vara Empresarial, que despachou em primeiro lugar. A decisão é da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

No caso, trata-se de conflito de competência suscitado por Unicard Banco Múltiplo S/A e outros em face dos juízos da 3ª, 4ª e 6ª Varas Empresariais do Rio de Janeiro/RJ e do Juízo Federal da 30ª Vara da Seção Judiciária do Estado do Rio de Janeiro, tendo em vista a propositura de várias ações civis públicas pelo Ministério Público Estadual, a Anacont e o Ibraci, os dois últimos entidades de defesa do consumidor, versando sobre operações financeiras com cartões de crédito.

O Unicard argumenta que, a despeito de a primeira ação proposta haver sido despachada na 4ª Vara Empresarial, o fato de uma das ações correr na 30ª Vara Federal, tendo em vista que a Caixa Econômica Federal integra o pólo passivo da demanda, deve deslocar a competência para a Justiça Federal. Por outro lado, já tendo sido proferida sentença na ação que tramita na 3ª Vara Empresarial contra a qual pende o julgamento de recurso de apelação, deve ela ser anulada com o encaminhamento dos autos à Justiça Federal.

Para o relator, ministro Castro Filho, a reunião das demandas na 30ª Vara Federal do Rio de Janeiro não se mostra possível, uma vez que a CEF só integra o pólo passivo em uma das ações, ou seja, na que tramita perante esse juízo, sendo a Justiça Federal absolutamente incompetente para conhecer das demais.

Com relação à ação que tramita na 3ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, o ministro destacou que incide o enunciado 235 da Súmula do STJ (“A conexão não determina a reunião dos processos, se um deles já foi julgado”).

No que se refere às ações da 4ª e 6ª Varas Empresariais, o relator afirmou que ambas devem ser reunidas, por força da conexão, no juízo que despachou em primeiro lugar em consonância com o artigo 106 do Código de Processo Civil.



Autor(a): Cristine Genú

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)