Cassilândia, Terça-feira, 22 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

25/09/2003 08:39

Câmara conclui votação da Reforma Tributária

Agência Câmara

A Câmara aprovou ontem a Reforma Tributária, em segundo turno, por 346 votos a 92, sem alterações em relação ao texto final votado, no primeiro turno, na semana passada. Apesar das obstruções realizadas pelo PFL, por meio da apresentação de diversos requerimentos que pretendiam adiar a apreciação, o Plenário rejeitou todos os destaques de votação em separado (DVS) oferecidos e manteve a mesma redação.
Um dos destaques do PFL derrubado pretendia excluir da Reforma a prorrogação da CPMF até 2007 com alíquota de 0,38%. O segundo DVS rejeitado pedia a exclusão da cobrança de Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de aeronaves e embarcações. Encaminharam a votação os deputados Virgílio Guimarães (PT-MG), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), João Fontes (PT-SE), José Thomaz Nonô (PFL-AL), Onyx Lorenzoni (PFL-RS), Antônio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA) e Rodrigo Maia (PFL-RJ).
Outros três destaques simples, de autoria do deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA), foram rejeitados em globo (todos em uma única votação). Eles pretendiam retirar do texto a incidência das contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico sobre a importação de produtos ou serviços; a progressividade das alíquotas do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis Inter-Vivos; e a cobrança das contribuições sociais do importador de bens ou serviços.

TRANSIÇÃO DO ICMS
Um terceiro Destaque de bancada oferecido pelo PFL, referente ao prazo de transição para o novo sistema do ICMS, foi considerado prejudicado pelo presidente João Paulo Cunha. Ele interpretou que a supressão pretendida daria uma nova regra que então teria sido votada em somente um turno de votações, contrariando a Constituição.
A substituição desse DVS por outro também foi indeferida pelo presidente porque já tinha sido iniciada a fase de votação, que inclui o encaminhamento da matéria antes da votação propriamente dita. Ele citou como exemplo da mesma condição o caso do PDT no segundo turno da Reforma da Previdência. “O PDT perdeu o direito de destaque e não teve o direito de substituí-lo, exatamente porque estávamos em fase de votação”, explicou.

Reportagem - Eduardo Piovesan
Edição - Paulo Cesar Santos

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 22 de Setembro de 2020
Segunda, 21 de Setembro de 2020
11:00
Corrida/Nutrição/Fitness
09:00
Santo do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)