Cassilândia, Sábado, 19 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

15/07/2003 10:43

Base do governo deve bancar aposentadoria integral

Agência Brasil

A integralidade das aposentadorias dos atuais servidores públicos deve ser bancada pela base do governo no texto da proposta de reforma da Previdência social que será apresentado, quarta-feira (16), na Comissão Especial da Câmara. A afirmação é do vice-líder do governo na Casa, Professor Luizinho (PT-SP). “A integralidade para os atuais servidores tem aceitação grande. A possibilidade de ser encampada e defendida é total”, disse. Já o relator José Pimentel (PT-CE) ressaltou que a proposta não está fechada e tudo dependerá das conversas marcadas para amanhã (15) de representantes do governo com sindicalistas e com governadores. De manhã, também está agendada uma reunião do ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, com a bancada do PFL.
O presidente da Câmara, João Paulo Cunha, afirmou que a Casa "não mudou um milímetro em sua posição de quarta-feira para hoje". Segundo ele, as lideranças partidárias estabeleceram um novo patamar de discussão a partir da consideração de que para os atuais servidores públicos estão garantidas a integralidade e a paridade no relatório da Comissão Especial da reforma da Previdência. Acrescentou que é com base neste fundamento que serão iniciadas as discussões amanhã com os governadores. Para o presidente da Câmara, a proposta dos parlamentares é melhor que a enviada pelo governo ao Congresso.
Já o vice-líder considera que a base do governo não tem como assumir a paridade dos benefícios dos aposentados com os salários dos servidores públicos na ativa. Os trabalhadores que ingressassem no serviço público após a aprovação da reforma previdenciária, não teriam direito nem à integralidade, nem à paridade, disse Luizinho. “Não temos como avaliar uma proposta que quebra a noção de Regime Geral, com piso e teto salariais e aposentadorias complementares”, explicou o parlamentar.
Ele reconheceu que o texto do relatório da reforma previdenciária, que será apresentado na quarta-feira, não atenderá às reivindicações de todos os segmentos da sociedade. Segundo o vice-líder do governo, o relatório promove alterações na proposta encaminhada ao Congresso pelo governo, mas mantém a sua “estrutura básica”.
O Professor Luizinho acrescentou que “não há retrocesso ou volta atrás” por parte do governo por causa da aceitação da aposentadoria integral para os servidores públicos que já estão na ativa. O deputado afirmou que a base governista vê “com bons olhos” a proposta apresentada pelo magistrado, mas sempre foi deixado claro que se pudesse ser assimilada, seria fundamental a negociação com os governadores.
O relator da matéria, José Pimentel, espera que nas reuniões de amanhã se possa chegar a um acordo com relação ao texto da reforma previdenciária. “Nós temos uma série de sugestões que estão sendo submetidas a cálculos atuariais e impactos orçamentários. Qualquer conclusão só depois da reunião de amanhã”, avaliou. Ele garantiu que vai cumprir o prazo estabelecido pelos líderes do governo e da oposição que determinaram a apresentação do relatório da PEC da reforma da Previdência, na comissão especial, para o dia 16.
O líder do governo na Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB), afirmou que seu papel nas negociações será o da busca do equilíbrio entre a posição do governo federal e “as aspirações da base parlamentar”. Rebelo acrescentou que a palavra final quanto a eventuais mudanças no texto encaminhado pelo Executivo ao Congresso levará em conta o compromisso assumido com os governadores. “Vamos encontrar o caminho das mudanças preservando o compromisso do presidente Lula com os governadores e a espinha dorsal da reforma previdenciária”, disse.(Marcos Chagas)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 19 de Setembro de 2020
Sexta, 18 de Setembro de 2020
11:00
Corrida/Nutrição/Fitness
06:40
Libertadores da América
Quinta, 17 de Setembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)