Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

13/08/2009 06:31

Artigo: Os hinos não são conhecidos, não são respeitados

Nelson Valente*

Por mais que se queira provar que a educação é um fenômeno contínuo, sem saltos, a história demonstra que, em nosso País, ela se faz de modo contrário ao que determina a lógica.

Um exemplo pode ser dado à música. Sou da fase do canto orfeônico, da obrigatoriedade de cantar o Hino Nacional antes de entrar na sala de aula, diariamente, com exceção apenas para quando a ocasião exigia o canto do Hino à Bandeira, do Hino à República ou do Hino à Independência. Ninguém passava de ano sem saber a letra de todos os nossos hinos. Certamente, o fenômeno era consequência do trabalho desenvolvido pelo maestro Heitor Villa-Lobos à frente da Superintendência da Educação Musical e Artística do Rio de Janeiro (desde 1932), estimulando o canto de hinos e canções patrióticas, para unir de forma harmoniosa o erudito e o popular.

Depois, fez-se o hiato. O canto orfeônico foi retirado dos currículos, não era matéria importante (diziam alguns), e a consequência é sentida até hoje. Os hinos não são conhecidos, não são respeitados, em partidas internacionais nossos jogadores fingem que cantam, nas escolas quase não se fala nisso, o que é natural, pois os próprios professores não conhecem as letras, enfim, um desastre em matéria de civismo, de que tanto se fala e pouco se pratica.

Agora, louve-se a iniciativa do professor Arnaldo Niskier, ex-secretário da Educação do estado do Rio de Janeiro, que mandou distribuir nossos principais hinos por todas as 450 escolas do sistema educacional do Rio de Janeiro. É medida patriótica, de efeito a médio e a longo prazo, no espírito de professores e alunos. Ele só fez uma exigência aos produtores da fita: “Incluam a Canção dos Expedicionários, pois a letra do Guilherme de Almeida é lindíssima e marca um momento de rara importância da cidadania brasileira: foi a participação e vitória na 2a Guerra Mundial”.

Pedido atendido, Rio de Janeiro dá um passo à frente, em matéria de resgate de alguns dos nossos mais preciosos símbolos.



(*) é professor universitário, jornalista e escritor














O Cassilandianews não se responsabiliza por artigos com autoria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)