Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/02/2004 15:10

Apesar do avanço, projeto de Lei de Falências é tímido

Agência Senado
Cassilândia NewsCassilândia News


O jurista e professor de Direito Comercial Fábio Ulhoa Coelho, da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, analisou os pontos positivos e negativos do projeto de lei n° 71/03, que institui a nova Lei de Falências, e apesar de considerar que há avanços, acha também que há dispositivos que terão efeitos contrários aos objetivos da medida. “Mesmo com as falhas, trata-se de uma atualização de uma lei obsoleta, porque é de 1945, quando a realidade do Brasil era outra, antes dos anos modernizadores de JK e do período militar”, explicou.

Fábio Ulhoa Coelho explicou que os objetivos básicos do projeto são três: atualizar a Lei de Falências, que atualmente privilegia os interesses dos credores; ajudar a combater o desemprego; contribuir para a redução das taxas de juros. A seguir, o jurista examinou as vantagens e desvantagens do projeto em relação a cada um dos três objetivos, além de apresentar 29 sugestões de emendas para aperfeiçoar o texto que veio da Câmara dos Deputados.

Em relação ao primeiro objetivo, segundo o professor, o projeto é tímido e repete três vícios da Lei de 1945: o primeiro vício é que a proposta trata o devedor praticamente como pessoa física, quando na verdade as falências hoje são de Sociedades Anônimas e Companhias Limitadas. O segundo vício é a complexidade. “É um projeto de lei de difícil manuseio, que tem pouca sistematicidade”, explicou. O terceiro vício é atribuir ao Judiciário “competências estranhas ao seu papel constitucional. “É preciso desjudicializar a lei, se podemos dizer assim”, disse o especialista.

Quanto ao segundo objetivo, reduzir o desemprego causado por falências, Fábio Ulhoa Coelho diz que o projeto oferece uma contribuição pequena. “Um grande avanço é a introdução da figura da 'preservação da empresa', o que por si só justificaria a reforma da lei”, disse o advogado. Segundo ele, a França faz isso desde 1960, os Estados Unidos desde 1978 e a Itália desde o fim da Segunda Guerra. “A empresa viável tem que ser preservada pelo Plano de Reorganização da Empresa, porque é a garantia dos empregos”, disse Fábio. Ele explicou, no entanto, que nem toda empresa deve ser preservada. “Há aquelas que não têm viabilidade técnica e nem econômica, e essas devem ser fechadas”, explicou.

Fábio Ulhoa disse que, pela lei atual, o juiz, ao denegar a concordata, é obrigado a decretar imediatamente a falência, embora em muitos casos não haja necessidade e a empresa possa ser repassada. “A falência é ruim para todo mundo”, disse. “Se puder ser evitada, é melhor, e além do mais os juízes não são experts na matéria”. Mas o devedor tem a obrigação de apresentar um Plano de Reorganização factível e confiável. “O que não pode acontecer, no entanto, é aceitar-se qualquer plano, ou criaríamos uma indústria de concordatas por uma indústria de planos de reorganização”, acrescentou.

Sobre o terceiro objetivo, a redução dos juros, Fábio Ulhoa Coelho disse que o projeto tem pontos positivos e negativos. “Alguns até terão efeitos contrários ao objetivo de reduzir juros”, disse. Segundo ele, o Brasil é o país que menos protege credores, e o projeto piora isso. Quanto aos aspectos positivos, cita a venda dos bens do falido para pagar as dívidas da empresa e a garantia expressa de que o adquirente da empresa não será o herdeiro das dívidas do falido. Os pontos negativos são o valor mínimo para pedido de falência; o aumento do prazo de contestação das dívidas e o simples pedido de recuperação judicial como afastador da falência. Para Fábio Ulhoa, o pedido de falência tem que manter a execução da cobrança.

Ele disse também que os efeitos nas taxas de juros da nova realidade irão demorar, porque os bancos, na fixação da taxa de spread (taxa adicional de risco cobrada no mercado financeiro), levam em conta não só as expectativas do futuro, mas também as estatísticas do passado.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)