Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

04/05/2016 13:30

Apenas produção de remédio, fumo e celulose cresce no 1º tri, aponta IBGE

EPharma Notícias

A produção industrial caiu 11,7% no primeiro trimestre sobre um ano antes, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A exceção, no período, ficou por conta da atividade de fabricação de fumo, papel e celulose e medicamentos.

De acordo com os dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do IBGE, o avanço na categoria de produtos do fumo (+31,3%), que inclui cigarros e fumo processado, é reflexo da base de comparação mais fraca e ao incremento nas exportações no período de janeiro a março.

"Já a categoria de produtos farmoquímicos e farmacêuticos assinalou a segunda alta consecutiva na comparação anual, mas vem apresentando comportamento predominantemente negativo nos últimos meses. Embora no acumulado do ano a atividade apresente alta também em função da menor base de comparação, a leitura continua negativa ", disse o gerente da coordenação de indústria do IBGE, André Macedo.

O levantamento mostrou alta de 0,9% na produção de farmacêuticos no acumulado dos três primeiros meses frente a 2015. Macedo explicou que a atividade, assim como toda a indústria de bens de consumo, continua pressionada pela conjuntura negativa da economia doméstica - diminuição da renda das famílias, alta da inflação e da inadimplência.

A atividade em celulose, papel e produtos de papel teve expansão de 1,7% no trimestre, mesmo com cenário mais difícil para esse mercado. As principais companhias do setor relataram dificuldades na exportação de celulose para o mercado asiático, um dos principais destinos dos embarques, nos primeiros meses do ano. No entanto, em abril as empresas disseram ter retomado o ritmo de vendas e esperam números melhores nos meses seguintes.

As maiores quedas no trimestre, segundo o IBGE, foram registradas em equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-34,7%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-27,8%) e máquinas e equipamentos (-23,7%), mantendo a tendência dos últimos trimestres.

"Os números da indústria continuaram ruins nos meses seguintes, tomando como base o que vemos agora. Os indicadores de emprego e confiança, que são mais imediatos, não mostram uma mudança no cenário que possa ter impacto na demanda", observou o economista-chefe da corretora Nova Futura, Pedro Paulo Silveira.

Na comparação com igual mês do ano passado, a produção industrial apresentou recuo de 11,4% em março.

Perspectiva

Todas as grandes categorias econômicas - bens de capital (-28,9%), bens intermediários (-10,3%) e bens de consumo (-9,8%) - apresentaram queda no trimestre, destacou o IBGE.

"Para confrontos que envolvem 2015, todo o perfil da atividade permanece com recuo no início de 2016, mantendo a característica de queda disseminada. Em magnitude, o destaque negativo das grandes categorias continua sendo bens de capital e duráveis", lembrou André Macedo.

Para o economista do IBGE, a leva melhora vista na passagem de fevereiro para março em todas as grandes categorias é pontual e não significa uma melhora efetiva na atividade. Na comparação com o mês imediatamente anterior, a produção de bens de capital cresceu 2,2%, acima da média geral da indústria (+1,4%).

"O desempenho positivo de março ficou concentrado na indústria de transformação, com alta de 1,7% ante fevereiro. A indústria extrativa, por sua vez, voltou a recuar em março (-0,9%) e, com isso, acumula contração relevante de 14% nos últimos cinco meses, influenciada, especialmente, pelo rompimento da barragem de rejeitos de mineração em Mariana (MG). O desempenho positivo disseminado entre os setores da indústria em março, no entanto, foi pouco representativo frente à queda de produção acumulada em todos os segmentos da indústria", detalhou a equipe do economista chefe do banco Safra, Carlos Kawall, em relatório.

Na avaliação de Silveira, da Nova Futura Corretora, a melhora nos indicadores na base mensal da PIM é um ponto fora da curva de tendência observada no setor industrial. "Acredito que em algum momento deste ano possamos bater o mínimo [da atividade da indústria], mas é difícil estabelecer o gatilho para isso acontecer e em qual mês esse ponto será atingido", afirmou ele.

O economista projeta queda de 0,20% no Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre de 2016, refletindo o comportamento da indústria. Já no último trimestre do ano, o PIB pode ter alta de 0,30%, com a indústria atingindo o mínimo entre esse período. Mas Silveira disse não apostar que a interrupção das quedas leve a uma retomada consistente da atividade produtiva no País.

"A indústria acumula contração de 9,7% em doze meses até março deste ano. O resultado é o pior desde outubro de 2009. O panorama segue muito ruim e tudo indica que o PIB no período registrará quedas semelhantes ao observado no último trimestre de 2015", destacaram os economistas do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves e Julia Araújo, em relatório sobre a PIM.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 11 de Dezembro de 2016
06:04
Fotogaleria
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)