Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

06/07/2004 16:17

Anvisa: falsificação de remédios penas são rigorosas

Juliana Andrade / ABr

De acordo com a gerente de Investigação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Maria das Graças Hofmeister, a falsificação de medicamentos é considerada crime hediondo, mas a punição é pouco aplicada. "As penas são rigorosas: vão de 10 a 15 anos de prisão. Se realmente fossem aplicadas, haveria uma intimidação maior”, destacou Hofmeister hoje durante o Fórum Nacional de Prevenção e Combate à Falsificação e Fraude de Medicamentos, organizado pela Anvisa e pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

O debate se concentrou nas propostas de um plano de ação conjunta para intensificar o combate ao problema. Criada em 2001, a Gerência de Investigação monitora a qualidade de medicamentos e faz parte de um comitê nacional formado por profissionais das vigilâncias sanitárias estaduais e da Opas. O comitê assumiu a responsabilidade de coordenar a elaboração de um plano nacional para a prevenção e combate à falsificação e fraude de remédios no país.

Outra proposta apresentada durante o evento é o fortalecimento da fiscalização de todas etapas da cadeia formal de medicamentos. “Não só a fiscalização da saúde, mas também uma ação compartilhada com a Fazenda e as polícias”, acrescentou Maria das Graças. Segundo ela, uma das principais medidas é intensificar a inspeção nas distribuidoras de medicamentos. “Se pegarmos os produtos falsificados na fase de distribuição, eles não vão parar nas farmácias”.

Além disso, o plano prevê um trabalho integrado em todo país para informar e divulgar os consumidores sobre o assunto. “Queremos fazer uma ampla divulgação informar quais medidas eles devem adotar para se prevenir contra a falsificação”, explicou a gerente de Investigação da Anvisa.

Segundo Maria das Graças, uma das orientações é comprar medicamentos em farmácias conhecidas, que tenham um farmacêutico à disposição do consumidor, para esclarecer dúvidas relacionadas à procedência do produto, por exemplo.

Outra dica é sempre exigir a nota fiscal da venda do medicamento. Segundo o presidente-executivo da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), Sérgio Mena Barreto, essa é uma forma de aumentar o controle sanitário e evitar a evasão fiscal. “Se você exige um cupom fiscal, exige que a pessoa que está vendendo pague seus impostos e que comprove a origem do produto”, explicou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Agosto de 2017
10:00
Receita do dia
09:50
Três Lagoas
Sábado, 19 de Agosto de 2017
20:38
Para o fim de semana
10:00
Receita do dia
Sexta, 18 de Agosto de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)