Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

06/07/2004 16:17

Anvisa: falsificação de remédios penas são rigorosas

Juliana Andrade / ABr

De acordo com a gerente de Investigação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Maria das Graças Hofmeister, a falsificação de medicamentos é considerada crime hediondo, mas a punição é pouco aplicada. "As penas são rigorosas: vão de 10 a 15 anos de prisão. Se realmente fossem aplicadas, haveria uma intimidação maior”, destacou Hofmeister hoje durante o Fórum Nacional de Prevenção e Combate à Falsificação e Fraude de Medicamentos, organizado pela Anvisa e pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

O debate se concentrou nas propostas de um plano de ação conjunta para intensificar o combate ao problema. Criada em 2001, a Gerência de Investigação monitora a qualidade de medicamentos e faz parte de um comitê nacional formado por profissionais das vigilâncias sanitárias estaduais e da Opas. O comitê assumiu a responsabilidade de coordenar a elaboração de um plano nacional para a prevenção e combate à falsificação e fraude de remédios no país.

Outra proposta apresentada durante o evento é o fortalecimento da fiscalização de todas etapas da cadeia formal de medicamentos. “Não só a fiscalização da saúde, mas também uma ação compartilhada com a Fazenda e as polícias”, acrescentou Maria das Graças. Segundo ela, uma das principais medidas é intensificar a inspeção nas distribuidoras de medicamentos. “Se pegarmos os produtos falsificados na fase de distribuição, eles não vão parar nas farmácias”.

Além disso, o plano prevê um trabalho integrado em todo país para informar e divulgar os consumidores sobre o assunto. “Queremos fazer uma ampla divulgação informar quais medidas eles devem adotar para se prevenir contra a falsificação”, explicou a gerente de Investigação da Anvisa.

Segundo Maria das Graças, uma das orientações é comprar medicamentos em farmácias conhecidas, que tenham um farmacêutico à disposição do consumidor, para esclarecer dúvidas relacionadas à procedência do produto, por exemplo.

Outra dica é sempre exigir a nota fiscal da venda do medicamento. Segundo o presidente-executivo da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), Sérgio Mena Barreto, essa é uma forma de aumentar o controle sanitário e evitar a evasão fiscal. “Se você exige um cupom fiscal, exige que a pessoa que está vendendo pague seus impostos e que comprove a origem do produto”, explicou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)