Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/08/2015 12:20

Animais revelam seus superpoderes para a saúde e o comportamento das crianças

Saúde Plena

A empresária Imaculada Oliveira vinha sendo chamada quase todos os meses na escola de Ítalo, de 10 anos. Ele conversava durante as aulas, as notas não estavam boas. “Eu fazia muito bagunça e brincava o tempo todo com os colegas”, admite. A situação mudou em dezembro de 2011, quando uma cliente estava doando filhotinhos de cachorro e a cabeleireira resolveu adotar um deles. De uma surpresa no Natal, o pequeno Billy se tornou companheiro de Ítalo e o resultado é que Imaculada não foi chamada novamente para discutir os problemas disciplinares do filho. As notas estão boas e o menino, mais tranquilo.

Essa história é um exemplo dos benefícios da relação entre crianças e animais. Eles incluem, é claro, o aspecto bioquímico, já comprovado por pesquisas. Um exemplo é a maior quantidade de endorfina produzida pelo nosso organismo ao acariciar um bichinho, o que traz calma e relaxamento. Outros estudos mostraram que pessoas com hipertensão ou obesidade também podem se beneficiar dessa companhia e até que crianças com autismo, surdez e gagueira se desenvolveram melhor ao lado de cães e gatos.

Segundo o pediatra e infectologista infantil Vanderson Firmiano Valente, as medidas variam de acordo com o comportamento da criança e vão depender da espécie, do tamanho e até mesmo do temperamento dos animais. “Os pais devem investir na divisão das responsabilidades. Animais, por mais que sejam divertidos, não são brinquedos. Como mais um membro da casa, eles têm demandas que precisam ser atendidas e as crianças podem e devem participar”, alerta o médico.

O especialista explica que, além de cuidados básicos de higiene, como lavar bem as mãos, é necessária a atenção à saúde do animal: levar ao veterinário, dar banho, eliminar pulgas e carrapatos, vacinar e realizar exames periódicos são hábitos fundamentais. “Além desses cuidados, é muito importante prezar pela boa alimentação. Rações de boa procedência e adequadas para cada espécie ajudam a prevenir doenças. No caso de gatos, é importante evitar que o animal tenha contato com a rua e pratique a caça, porque ele pode interagir com animais doentes”, explica o médico.

Independência
A fisioterapeuta Caroline de Oliveira Santos, mãe de Daniel, de 2 anos, também tem uma experiência transformadora com animais. Antes de adotar Vitória, uma cadelinha SRD de um ano, Daniel era mais dependente da companhia da mãe, 100% do tempo. “Era complicado até para fazer as tarefas domésticas, por causa da demanda de atenção”, explica Caroline. Acreditando que a presença de um bichinho poderia ajudar, ela procurou um cão que estivesse para adoção. “Sempre achei que o cachorrinho adotado teria mais chance de ter o comportamento que eu precisava”, explica a mãe.

De acordo com Valente, o fato de um bicho ser procedente de um criador ou de uma loja de animais não garante sua saúde. “Os cuidados são os mesmo para um animal adotado ou comprado. Mordidas e arranhaduras são comuns especialmente na combinação filhotes de cães e gatos/crianças pequenas. É necessária a supervisão dos adultos durante as brincadeiras, o que ajuda a evitar ferimentos, doenças bacterianas, parasitárias e até viróticas”, explica o médico.

Vitória foi adotada por meio da Pet Shop Bom Garoto, que desenvolve um projeto para animais abandonados. Dois cães sempre ficam disponíveis para adoção na loja. Assim que são adotados, outros dois vão para a espera. Os cães são entregues vermifugados, vacinados com antirrábica e polivalente, com aplicação de produto contra pulgas e carrapatos. Eles ainda têm consultas gratuitas pelo período de um ano.

Companheiros inseparáveis, Tóinha (apelido que o pequeno deu à cachorrinha) ajudou Daniel a se tornar mais sociável e até a desenvolver a coordenação motora. “Quando estamos em uma festinha ou na casa de amigos e parentes, ele diz que sente saudade”, relata a mãe. É o mesmo caso de Ítalo. Quando viajou com a família para a praia e Billy ficou aos cuidados da tia, ele sentiu falta do cachorrinho.

De acordo com o médico, os benefícios da convivência com animais de estimação são quase incontáveis. “Especialmente no âmbito da saúde mental e do desenvolvimento da criança. Contribuem especialmente na socialização, aquisição de responsabilidades. Há relatos de que a convivência com animais poderia diminuir o risco de alergias em geral e funcionar como um mecanismo de regulação da função do sistema imunológico”, explica o infectologista.

De olho neste cuidados, Tóinha toma banho todas as semanas e escova os dentes regularmente, não pode ir à rua sozinha, não tem contato com lixo e nem com outros animais, sem supervisão. “Ela tem que ser muito bem tratada, porque todo animalzinho merece, é claro, e também porque é um membro da família. Um dia em que ela e Daniel estava brincando no quintal, eu lavei as mãozinhas dele, que estavam imundas; e ele me pediu para lavar o focinho dela. É a companheira dele”, emociona-se a fisioterapeuta.

Família unida
O artista plástico Rogério Fernandes tem uma família grande. Na casa, moram sete indivíduos: ele, a esposa Ana Tereza Carneiro, a Tetê; Benjamin, de 4 anos; Aurora, de 3 e a pequena Valentina, de 11 meses; além de Matisse, de 10 anos; e Cloé, de 9. Matisse e Cloé são os gatinhos de estimação do casal. “Todos são da família, logo, um tem que cuidar do outro. Meus filhos aprenderam isso de maneira muito natural”, explica Rogério.

De acordo com o artista, essa convivência ensina noções de respeito, não só em relação aos gatos ou cachorros, mas também em relação ao espaço, em relação às outras pessoas e em relação a tudo que é diferente, desenvolvendo a tolerância. “Essa amizade entre eles trouxe mais noções de socialização, carinho e maturidade”, comemora.

Quando a esposa ficou grávida pela primeira vez, o casal já tinha gatos. “Ouvimos muitos conselhos, de amigos e parentes, para retirar os bichos da casa. Mas consultamos nossa médica, e ela recomendou que fizéssemos os exames de toxoplasmose. O exame deu negativo. Seguimos também as recomendações de higiene e a Tetê não manipulou mais a caixinha de areia”, relata.

Como a convivência com os bichinhos é bem próxima, sempre houve cuidado para evitar acidentes. “Benjamim e Aurora já entendem qual é a melhor maneira de fazer carinho. Agora, a Valentina está mais curiosa, quer apertar, e aos poucos vamos mostrando o jeito seguro”, ensina. Quando cada bebê chegou, houve também uma estratégia para que os gatos associassem o novo membro da família a algo positivo, com brinquedos e petiscos.

Outra vantagem que Rogério vê é a prática de desapego. “Casa que tem animais geralmente tem móveis um pouco 'alterados', não é? É claro que ensinamos as crianças a terem cuidado com as coisas, mas ao mesmo tempo, o fato de o bichinho afiar a unha sofá ajuda a mostrar que aquilo não é o mais importante na nossa vida”, reflete.

Gravidez e cuidados
O médico lembra que existem dados concretos em relação à exposição precoce, que pode sensibilizar o sistema imunológico das crianças menores de 4 anos. “Não é ainda estabelecido o verdadeiro impacto dessa afirmação científica na comunidade, mas existem dados concretos com relação às pessoas portadoras de imunodeficiências. Essas devem redobrar os cuidados de higiene com os animais, pois muitas doenças que são específicas deles podem se tornar oportunistas nos humanos quando o sistema imunológico não funciona bem”, pondera o infectologista

O pediatra explica ainda que a toxoplasmose, causa de debates fervorosos entre profissionais de saúde, donos de gatos e protetores de animais, é sim, muito importante nos imunodeprimidos e nas grávidas. “Caso a mãe adquira a doença na gestação, há riscos para o feto. Sabemos que as formas infectantes da doença para o ser humano estão presentes nas fezes secas dos gatos, no solo, água e alimentos contaminado por elas e na carne de animais infectados pelo Toxoplasma gondii. Daí vem a questão chave para evitar o risco: destino e manipulação adequada das fezes dos bichinhos e, principalmente, processamento efetivo da água e dos alimentos”, define.

Grávidas que nunca tiveram a doença - e por isso não adquiriram imunidade - ou que desconhecem esse fato, devem ser desestimuladas a manipular as fezes dos animais, além de reforçarem os cuidados de higiene após contato com eles. Uma dieta adequada, com rações industrializadas, também reduz o risco da doença nos gatos. “Não há evidência na literatura que contraindique o convívio dos bichanos com grávidas. É muito mais importante cuidar da água e cozinhar adequadamente os alimentos”, esclarece o infectologista.

Outra polêmica diz respeito à presença do animal na cama, principalmente das crianças. Mais uma vez, o que vale é ter o máximo de cuidado com a saúde do animal e cuidar da higiene. “Doenças de pele, por exemplo, causadas por parasitas externos, podem ser transmitidas aos humanos. Devemos ter em mente que os animais se lambem e agentes de doenças que tem origem nas fezes podem ir parar em outros lugares como os pelos ou a boca do anima”, alerta.

Nos casos de animais menos comuns, como os furões e chinchilas, esses cuidados também são aplicáveis. O médico lembra que, no caso de espécies exóticas, há riscos de doenças que ainda não são do conhecimento médico. A visita frequente ao veterinário, ainda que o bicho aparente estar saudável, é fundamental para ter uma vida feliz com o animal de estimação.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)