Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

14/02/2008 08:44

Alcides Silva: Língua portuguesa, inculta e bela!

Alcides Silva

Língua portuguesa, inculta e bela!
Alcides Silva
Niquento... níquel
Existem palavras ouvidas ou lidas no passado ficam em nosso subconsciente à espera do clarim da alvorada para um novo despertar.
Ouvia-a ainda no ginásio, quando o exigente professor de matemática assim qualificou colega meu que se punha a choramingar sempre que advertido: “Menino niquento”.
No armazém de meus conceitos, por muito tempo niquento figurou como sinônimo de “chorão”. Um dia, bem mais tarde, pretendendo empregá-la com a idéia que dela fazia, fui ao dicionário e levei um susto: derivado do substantivo feminino nica – de étimo obscuro, possivelmente do latino nicles
Desse mesmo étimo latino é o verbo aniquilar, ‘reduzir a nada’. Na ortografia da baixa latinidade, o latim eclesiástico da Idade Média, nihil era pronunciado nikil e escrito nichil. Assim, annihilare (de nihil, nada) passou a ser grafado annichilare (anikilare, na pronúncia de então). Daí, o nosso aniquilar e todos os seus derivados.
Tanto em Portugal, como no Brasil, nícles - na linguagem popular, na gíria- é um advérbio com o significado de ‘coisa nenhuma, nada’, conforme anota o dicionário de Jayme de Séguier. “Não entendi nícles do que ele disse”.
No português que se fala no Brasil, níquel também tem significação de nada quando pronome indefinido. Drummond, em “Fala, Amendoeira”, o emprega nesse sentido: “Ia retirar-se, sem que o Silva compreendesse níquel”.
Interessante o alongamento das palavras: os mineiros alemães, em meados do século XVIII (1751), ao descobrirem que pouco valia um minério que acreditavam ser o cobre, deram-lhe o nome de “nickel”, vocábulo que significava, no dialeto dos mineiros da época, ‘gênio astucioso, enganador’, isto é, nada.
É comum na gíria forense e policial o acréscimo de desinências latinas em palavras vernáculas: o jus esperniandi, por exemplo, é o direito de espernear quando as cosias não lhe são favoráveis. Do nihilo nihil (nada pode vir do nada), veio o “nilo nil”, para substituir o popular neca de pitibiriba.
E nesse jargão entra, também, o nosso nícles, através da palavra níquibus:
“O delegado:
- Vamos, fale. Queremos saber como era a vida desse bandido, antes do assalto. Você deve saber porque é amigo dele, Fale.
- Falar eu, seu doutor? Mas eu não sei níquibus.
Níquibus é nada, coisa nenhuma. Tem o sentido de calar, nada dizer, no exemplo apresentado.” (apud: Cid Franco: “Dicionário de Expressões Populares Brasileiras”).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)