Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

13/12/2012 14:35

Alcides Silva: Língua portuguesa, inculta e bela!

Alcides Silva

As palavras também têm história


Sendo obrigado, por não haver opção, a ouvir e ler todos os dias notícias escabrosas sobre corrupção governamental, deparei-me com um texto em que se dizia que a ex-chefe de gabinete do escritório da Presidência em São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha, teria sido indiciada pela Polícia Federal pelos crimes de falsidade ideológica, tráfico de influenciam corrupção ativa e de formação de quadrilha, porque barganhava pareceres técnicos fraudulentos com favores de ordem pessoal.
Barganhar é palavra de dupla origem (do italiano barbagnare = “vender com fraude”, e do francês borganjan = “vender (ou comprar) fiado”. Hoje, barganhar tanto significa “fazer acordo político, como realizar uma transação fraudulenta.
A propósito, fiado (particípio do verbo “fiar”,do latim fidare = confiar, acreditar) é um advérbio com a significação de crédito, que, aliás, é o sentido do voto dado pelo eleitor. Muitos dos eleitos, ao depois, transformam-se em mensaleiros ou fraudadores, mas, isso já é outra história.
As palavras não fenecem como os seres vivos; repousam nos dicionários, ficando delas o registro. Um dia poderão berganhar de sentido e ressurgir com roupagem nova e significações semelhantes.
Rosemary se dizia namorada do ex-presidente Lula, tendo com ele participado de uma vintena de viagens internacionais, embora seu nome jamais constasse da lista oficial da comitiva. Estava deslumbrada com o tal de “namoro” e achava que podia tudo.
Vindo do castelhano lumbre (luz, clarão, fulgor), já tivemos o desaparecido verbo lumbrar, com a significação de alumiar, clarear. Renasceu com deslumbrar (ofuscar pelo excesso de brilho, de luz), deslumbrado (maravilhado, assombrado, fascinado, embevecido) e deslumbramento (encantamento, maravilha, cegueira, obcecação).
A propósito, obcecação não é parente de obsessão e nem com ela tem afinidade. A primeira significa ficar cego, perder o entendimento, a razão; a segunda, é impertinência, persistência.
No antigo Portugal, havia uma moeda de cobre, de pequeno valor, chamada mealha: (“Querei vós, senhor, um conselho, e não vos custará nem mealha?”- Alexandre Herculano: “Lendas e Narrativas”, 13ª ed. vol. II, p. 17). A mealha deixou de ser cunhada, a palavra foi esquecida, até renascer em amealhar, juntar pouco a pouco, economizar, poupar.
Cunhada, particípio do verbo cunhar (amoedar, fazer moeda, imprimir cunho), nada tem a ver com a homófona e homógrafa, descendente do latim cognata que é a irmã de um dos cônjuges.
Guarir é um verbo fora de moda, que já significou curar, sanar. Tem raiz germânica warjan (proteger). A prole dele é grande: temos hoje guarida (asilo, refúgio, abrigo, proteção) e guarita (casinha destinada ao abrigo de guardas ou sentinelas), guarnição (prover do necessário).
Alvenel ou alvanel, ou, ainda, alvaneu só encontramos nos bons dicionários. De origem árabe, significa mestre-de-obras, ou, simplificando, pedreiro. E quem era o pedreiro no passado? O operário que construía casas de alvenaria. Segundo o Houaiss, em 1611, alvenaria era um processo de utilização de pedras não lavradas no levantamento de paredes, muros, arcos, etc., com ou sem argamassa de ligação. Essas pedras eram tiradas da rocha com o auxílio de alvião (picareta). Hoje, alvenaria é o nome que se dá ao conjunto de elementos utilizados na construção de paredes, alicerces, muros, etc.: alvenaria de pedra, alvenaria de tijolo ou alvenaria mista.
É isso aí: as palavras também têm história.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)