Cassilândia, Sábado, 27 de Maio de 2017

Últimas Notícias

11/11/2010 18:39

Alcides Silva: Língua portuguesa, inculta e bela

“Que” é basicamente pronome relativo

Já me utilizei diversas vezes do universo drummoniano para falar de fatos da língua portuguesa que se fala no Brasil. Repito, agora, com Quadrilha:
“João amava Teresa que amava Raimundo / que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili / que não amava ninguém. / João foi para os Estado Unidos, Teresa para o convento, / Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, / Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes / que não tinha entrado na história.”
Se o J. Pinto Fernandes só entrou para a história no final, o “que” ali se meteu por seis vezes e desde o primeiro verso.
Afinal, qual a função desse quê, que dá certa graça à poesia drummoniana?
“Que” basicamente é o pronome relativo. É invariável: usa-se com referência a coisa ou pessoa, no singular ou plural.
Por que pronome relativo? Porque geralmente se refere a um termo anterior, relacionando-o com o posterior, permitindo a concordância do verbo com o sujeito. Diferentemente das conjunções (que são meros conectivos), relaciona o termo antecedente ao conseqüente, desempenhando a função sintática de sujeito ou de complemento.
Quanto à concordância: primeiro macete, o termo antecedente é quem determina a variabilidade do verbo: “Em casa que falta pão...” (termo antecedente: casa, substantivo singular = verbo no singular). Nos versos de Drummond, João, Teresa, Raimundo, Maria, Joaquim e Lili são, também, termos antecedentes. “Foram eles que chegaram tarde” (termo antecedente: eles, pronome pessoal da terceira pessoa do plural = verbo no plural).
Havendo dois ou mais antecedentes, segunda dica, o verbo vai para o plural da pessoa que tem precedência sobre as demais (a 1ª pessoa – eu, nós – tem precedência sobre a 2ª - tu, vós – e a 3ª - ele, ela, eles, elas, e a 2ª pessoa, sobre a 3ª): “Não serei eu e nem você que deixaremos de honrar o compromisso”.
Se o pronome que integra um vocativo, e está a terceira regra, o verbo vai para a segunda pessoa: “Pai Nosso, que estais no Céu,...”
Até aqui, tudo simples, pois na própria fala corrente é essa a forma normal. A situação começa a se complicar quando a concordância não agrada aos ouvidos ou parece controvertida como a do exemplo: “Bom número dos brasileiros que paga (ou pagam) impostos reclama da voracidade do Leão”. Mas isso é assunto para outro comentário.
Por ora, fiquemos com algumas da outras funções sintáticas desse pequenino que. Algumas, que para falar de todas seria insuficiente esta página do jornal.
É pronome interrogativo: “Que história é a do J. Pinto Fernandes?”
É pronome exclamativo: “Meu Deus, que susto!”
É preposição, com o significado de exceto, salvo: “Nada mais esperava, que a morte”.
É conjunção coordenativa aditiva: “Dizei-me com quem andas que te direi quem és” (que = e).
É conjunção subordinativa: 1 – comparativa: “Estava mais feroz que um leão indomável”; 2 – integrante: “Contou-me que te ama” (introduz uma oração que funciona como sujeito ou complemento de outra oração); 3 – causal: “Vamos embora que os outros não mais virão”; e 4 – final: “Saudades de minha infância, que os anos não trazem mais”.
É interjeição: “Que! Novamente você!”
E é substantivo: “Fulano tem um quê de misterioso”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 27 de Maio de 2017
Sexta, 26 de Maio de 2017
10:01
Cassilândia
10:00
Receita do Dia
Quinta, 25 de Maio de 2017
13:00
Dicas de segurança
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)