Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

06/06/2008 08:13

Alcides Silva: Língua Portuguesa, Inculta e Bela!

Alcides Silva

É devagar, devagarinho...’
É conhecida a música cantada por Martinho da Vila “Devagar devagarinho’. Belo o samba, magnífica a interpretação!, mas, conforme a língua padrão, com emprego de palavra inexistente. Aliás, a letra dessa canção foi vertida para o português pelo Martinho que traduziu a frase “c’est lentement, c’est lentement, bien, bien lent” pelo ‘devagar devagarinho’ de seu sucesso musical.
Devagar é um advérbio que expressa um conceito de falta de pressa, de lentidão, de vagarosidade, de demora. Devagarinho, dizem os puristas, não existe porque o advérbio é uma palavra invariável. Será? Veremos depois.
Na maioria das vezes, o advérbio funciona como modificador de um verbo (andar devagar), de um adjetivo (muito devagar) ou de um outro advérbio (excessivamente devagar). Excepcionalmente, modifica toda a frase (devagar ele chegou) e, até mesmo, toda a oração, como se verifica no verso de Carlos Drummond de Andrade, por mim grifado na transcrição:
Casas entre bananeiras / Mulheres entre laranjeiras / Pomar amor cantar.
Um homem vai devagar, / Um cachorro vai devagar,/ Um burro vai devagar, / Devagar... as janelas olham /
Êta vida besta, meu Deus.
Nessa poesia, o advérbio devagar modificou o verbo nos três primeiros versos da segunda estrofe, e foi o modificativo da frase ‘as janelas olham’ do verso seguinte.
Aprendemos nas primeiras lições de gramática que o advérbio é uma palavra invariável, isto é, não tem gênero e nem número. Por exemplo, não existe no comparativo de quantidade, quando o complemento for um nome feminino, a palavra menas, como feminino do advérbio menos. Num determinado bolo poderá haver menos manteiga, menos clara de ovo, menos frutas cristalizadas que no de outra receita, porém nunca menas manteiga ou clara de ovos, ou as tais frutas, como, aliás, se ouve com freqüência, até mesmo em programas de televisão. Já falei aqui da receita da Ana Maria Braga que aconselhava colocar menas farinha; e da constatação de Lula de que o Brasil precisava de “menas política”.
Mas não é só por isso que se poderá afirmar, como dogma, que o advérbio é invariável e que o devagarinho da canção popular estaria errado.
No falar cotidiano, na língua gostosa do povo, é comum o uso de forma diminutiva com o acréscimo dos sufixos inho ou zinho para valorizar o objeto ou o acontecimento a que nos referimos. O jornal local que você costumeiramente lê, na cidade é chamado carinhosamente de ‘jornalzinho’, não porque ele seja pequeno, de poucas folhas ou desprovido de conteúdo. Igualmente quando dizemos aquela criança fará ‘dois aninhos’. Esses diminutivos não inferiorizam aquilo de que falamos e nem tampouco diminui o número de dias que compõem um ano, mas lhe intensifica a significação ou lhe dá um alto grau de afetividade ou de intimidade.
Sabemos que existem advérbios que admitem graus, como os adjetivos. Esses graus são o comparativo e o superlativo. O nosso devagarinho embora possua sufixo diminutivo é um superlativo coloquial, como também o são o “disse baixinho o nome dela”, “chegou cedinho para ver o sol nascer”, “veio depressinha ver o ocorrido”, “agorinha mesmo ele aqui esteve”, “pertinho do céu”, “é bem longinho onde ele mora etc.
Daí não ser verdade absoluta a afirmação de que o advérbio é uma palavra invariável.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)