Cassilândia, Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020

Últimas Notícias

15/08/2020 17:00

Alan Bahia e Léo relembram disputa entre Athletico e Santos no Brasileirão

Clubes disputaram o título do Brasileirão em temporada repleta de recordes. Léo e Alan Bahia relembram momentos marcantes

CBF
Alan Bahia e Léo relembram disputa entre Athletico e Santos no Brasileirão

Um duelo com história para contar! Santos e Athletico-PR se enfrentam neste domingo (16), às 19h45 (de Brasília), na Vila Belmiro, pelo Brasileirão Assaí 2020. Adversários neste duelo, Peixe e Furacão já protagonizaram a luta pelo título brasileiro. Foi em 2004, quando os dois times brigaram ponto a ponto, rodada a rodada, pela taça. Entrevistados pelo site da CBF, Léo e Alan Bahia relembraram aquela disputa que foi até a última rodada com a taça indo para a Vila.

Os números alcançados por Santos e Athletico-PR, há 16 anos, não mentem e são a prova da força dos dois times naquela temporada. Os Meninos da Vila anotaram 103 gols em 46 partidas disputadas, com uma média de mais de 2 gols por partida. O que não era de se espantar, considerando o talentoso elenco que o Santos reuniu, com jogadores como Robinho, Deivid, Elano, Ricardinho e Léo. Em entrevista ao site da CBF, o lateral destacou a ofensividade da equipe treinada por Vanderlei Luxemburgo.

“Era um time muito bem treinado. O ataque fazia muitos gols porque eu passava por um lado, o Paulo César passava pelo outro, os volantes chegavam o tempo inteiro. Era um time que atacava muito, mas sabia se defender, era muito homogêneo. Todos sabiam o que fazer. Além disso, o Luxemburgo tinha sede de vitória e não deixava a gente entrar na nossa zona de conforto. O grupo era forte e unido”, contou o ídolo santista.

Do lado rubro-negro, a responsabilidade de marcar era mais concentrada no atacante Washington. O Coração Valente marcou 34 vezes naquele ano, um recorde do Campeonato Brasileiro até hoje. Ele atuou ao lado de jovens promissores, como Fernandinho, Dagoberto e Jadson. Entre eles, já em um papel de liderança, estava Alan Bahia. E foi justamente essa mistura que potencializou tanto o artilheiro e o Athletico naquele ano.

“Nosso time era humilde e ele também. Jogar com Washington foi uma experiência excelente. Ele chegou no clube desacreditado, com problemas de saúde. No entanto, todos acreditaram nele: a diretoria, jogadores, comissão técnica. O potencial dele era claro e até o presidente acreditava. Graças a Deus ele deu a volta por cima e conseguiu ser o artilheiro da competição”, lembrou o ex-volante.

Um formato diferente

O Brasileirão de 2004 não era igual ao de hoje. O sistema de pontos corridos estava entrando no seu segundo ano e a competição contava com 24 equipes, com 46 jogos para cada time. O modelo, que se consolidou ao longo dos anos, ainda era novidade para todos. Mas em pouco tempo jogadores, jornalistas e torcedores notaram o fator que seria o diferencial no formato: a regularidade.

“Ainda vejo a regularidade como o principal fator. Naquele ano, a disputa foi entre Santos e Athletico o tempo todo. Mas na reta final, eles começaram a tropeçar e nós mantivemos resultados consistentes para conseguir o título”, afirmou Léo.

O campeonato mais longo só tornava tudo ainda mais difícil. Por isso, a segunda colocação do Athletico foi uma demonstração de força e união, como disse Alan Bahia.

“O campeonato ser mais longo dificultava bastante, porque o elenco tinha que ser muito bom. Mas, no geral, a competição é parecida. Foi uma temporada muita boa. Nós tínhamos um time muito bom, com guerreiros e unido, o que fazia o ambiente ser excelente. Isso fez a nossa equipe alcançar o segundo lugar daquele ano”, opinou Alan Bahia.

O apoio incondicional do torcedor

Com um campeonato longo e novo, muitas variáveis surgiam e as equipes tinham que se adaptar. Mas não só os clubes, o torcedor também se moldava para apoiar o seu time por mais tempo ao que estava habituado. Com o Brasileirão durando sete meses no ano, a paixão das arquibancadas foi testada, e de acordo com os nossos entrevistados, a motivação surtiu efeito.

O Furacão sempre foi temido na Arena da Baixada. Com aquele time, era praticamente impossível derrotar o clube em seus domínios. Grato à torcida athleticana por todo esse apoio, Alan Bahia lembra com carinho do período, que fez dele o jogador com mais partidas na história do clube.

“A nossa torcida foi fundamental! Presente nos jogos, incentivando, jogando junto, e dentro de campo a gente correspondia. Eu consegui ser o jogador que mais vestiu a camisa do Athletico-PR na história. Sou muito feliz por tudo que o clube fez para mim na minha vida e no esporte”, concluiu o volante.

O sentimento é parecido com que tem Léo pela torcida do Santos. O lateral ainda retornaria ao clube no início da década seguinte, para conquistar a América ao lado de Neymar e cia. Um dos maiores ídolos de um clube cheio de histórias, Léo sabe o quanto aquela conquista foi importante para sua carreira e sua trajetória no Santos e agradece muito pelo apoio que recebeu durante a campanha:

“Passamos por adversidades muito grande, mas soubemos passar por cima de tudo isso e conquistar o título da competição. Eu agradeço ao torcedor santista por apoiar a equipe e não desistir da gente, assim como nós não desistimos. Corremos atrás e somos gratos pelo apoio incondicional da torcida”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 21 de Outubro de 2020
Terça, 20 de Outubro de 2020
Segunda, 19 de Outubro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)