Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

21/04/2013 13:03

Advogada de defesa recorre de sentença que condenou PMs do Massacre do Carandiru

Fernanda Cruz, Agência Brasil

São Paulo – A advogada Ieda Ribeiro de Souza, que defende os 26 réus do Massacre do Carandiru, disse que já recorreu da sentença que condenou 23 dos 26 policiais militares acusados da morte de 13 detentos no massacre, proferida na madrugada de hoje (21). O juiz José Augusto Nardy Marzagão, que presidiu o julgamento, fixou a pena em 156 anos de reclusão para cada um, em regime inicial fechado.

A advogada disse acreditar que a condenação dos policiais não traduz a vontade da população. “Eu vi [a decisão] com muita frustração. Foi uma decisão por maioria de votos. Na verdade, por diferença de um voto e isso não reflete a vontade da sociedade brasileira”, disse. “É possível sempre ter um novo julgamento. Vou ter um novo conselho de sentença, vou ter novas pessoas trabalhando para entender esse caso, não ficar só nas informações externas a ele”. Para Ieda, é possível que o julgamento seja anulado.

O Massacre do Carandiru ocorreu em 2 de outubro de 1992 e terminou com a morte de 111 presos. Ao todo, 79 policiais militares foram acusados, mas o caso precisou ser desmembrado em quatro partes devido à sua complexidade.

Na primeira parte, concluída hoje, 26 policiais militares integraram, inicialmente, o grupo de réus, mas três deles (Roberto Alberto, Eduardo Espósito e Mauricio Marchese Rodrigues) foram absolvidos a pedido da promotoria. Eles respondiam pela morte de 15 presos que ocupavam o Pavilhão 9 da extinta Casa de Detenção, mas o número de vítimas foi reduzido para 13, pois uma delas foi atingida por arma branca (possivelmente de um companheiro de cela) e a outra foi encontrada em um outro pavimento. A responsabilidade pela morte dessa última vítima vai ser transferida para um dos próximos três julgamentos, que devem ocorrer ainda neste ano.

Fernando Pereira da Silva, um dos promotores que atuaram no caso, declarou não acreditar que a decisão do júri popular seja revertida. “A decisão me parece muito bem fundada e não acredito em uma reversão da decisão pelo Tribunal do Júri”.

Durante o julgamento, a acusação temia que a tese de que “bandido bom é bandido morto” pesasse sobre a decisão dos sete jurados. Após o pronunciamento da decisão, porém, o promotor mostrou-se satisfeito com o resultado que, segundo ele, valorizou as vidas perdidas. “Uma preocupação que nos trazia era justamente a população entender que a vida do ser humano não é descartável. A invisibilidade social daqueles indivíduos que estavam presos naquela época não podem ser deixadas de lado, não podem prevalecer sobre o cumprimento da lei”, disse.

Edição: Fábio Massalli

Nem sei expressar o que sinto com essa condenação, para mim é como se estivessem me condenando também enquanto cidadã... quando que um marginal pegou 156 anos de prisão ???????? e o policial em defesa da população e de sua vida também é condenado ??? como queremos que esse policiais nos ajudem ??? se quando o fazem são condenados ????... Vi uma entrevista de um ex-detento em uma cadeira de rodas, dizendo do horror daquele dia e quando a reporter perguntou se ele estava naquela cadeira por causa disso ele disse "não... eu sai da cadeia e cometi outro crime por isso estou assim"... "outro crime"... se foi um dia de horror o cara sai e comete outro CRIME ??? Me sinto em um pais que só existe lei e vantagem para bandidos e desonestos... direitos humanos ? só para eles !
 
Juju em 21/04/2013 17:34:09
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)