Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

14/10/2005 16:33

Acordo garante afrouxamento de barreiras à carne de MS

Graciliano Rocha / Campo Grande News

Depois de quase cinco horas de negociação, o governo federal e catorze dos 15 estados que levantaram embargos a Mato Grosso do Sul fecharam um acordo para a liberar a carne produzida no Mato Grosso do Sul que está fora da área de contaminação da febre aftosa. O Mato Grosso do Sul foi representado pelo secretário Dagoberto Nogueira (Produção e Turismo).

Pelo acordo, a carne maturada sem osso (bovinos, caprinos, ovinos e suínos), leite pasteurizado, seus derivados e peles de couro, produzidos fora da zona do foco podem ser negociados nos demais Estados. A proibição fica restrita apenas aos municípios de Eldorado, Iguatemi, Itaquiraí, Mundo Novo e Japorã.

A decisão traz alívio aos produtores do Estado e atende a proposta feita ontem pelo governador Zeca do PT de criar uma “zona tampão”, restringindo o embargo apenas aos cinco municípios da região onde está o foco. Ontem, São Paulo – o principal destino da carne de MS – impôs novas regras, que vetavam a entrada em seu território da carne produzida em todo o MS. Agora, deverá rever a decisão e amenizar as barreiras.

No caso do transporte de animais vivos, a liberação vai depender de protocolos entre os Estados e o Mato Grosso do Sul. O ministério irá orientar os trabalhos. O único a se recusar a entrar no entendimento foi Santa Catarina. O estado é considerado área livre de aftosa sem vacinação.

A reunião também teve um tom político. Antes de negociar a suspensão das barreiras, os secretários estaduais atacaram as declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Portugal, sobre a responsabilidade pela sanidade do rebanho ser do pecuarista e não do governo.

O ministro Roberto Rodrigues (Agricultura) não participou da reunião, mas adotou um tom conciliador. Em Piracicaba, no interior de São Paulo, ele deu uma entrevista onde voltou a afirmar que faltaram recursos para a defesa sanitária, mas disse que a responsabilidade pelo foco deve ser compartilhada entre governo e produtores.

O secretário de Agricultura de Goiás, Roberto Balestra é forte candidato a autor da declaração mais sincera – também de gosto mais duvidoso – desde que estourou a crise da aftosa na segunda-feira.

Balestra disse que o Estado está "eufórico com o foco de Eldorado, porque Goiás poderá exportar mais com o embargo imposto à importantes Estados que comercializam carne no mercado externo. Fizemos o dever de casa e seremos recompensados por isso".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)