Cassilândia, Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018

Últimas Notícias

14/10/2005 16:33

Acordo garante afrouxamento de barreiras à carne de MS

Graciliano Rocha / Campo Grande News

Depois de quase cinco horas de negociação, o governo federal e catorze dos 15 estados que levantaram embargos a Mato Grosso do Sul fecharam um acordo para a liberar a carne produzida no Mato Grosso do Sul que está fora da área de contaminação da febre aftosa. O Mato Grosso do Sul foi representado pelo secretário Dagoberto Nogueira (Produção e Turismo).

Pelo acordo, a carne maturada sem osso (bovinos, caprinos, ovinos e suínos), leite pasteurizado, seus derivados e peles de couro, produzidos fora da zona do foco podem ser negociados nos demais Estados. A proibição fica restrita apenas aos municípios de Eldorado, Iguatemi, Itaquiraí, Mundo Novo e Japorã.

A decisão traz alívio aos produtores do Estado e atende a proposta feita ontem pelo governador Zeca do PT de criar uma “zona tampão”, restringindo o embargo apenas aos cinco municípios da região onde está o foco. Ontem, São Paulo – o principal destino da carne de MS – impôs novas regras, que vetavam a entrada em seu território da carne produzida em todo o MS. Agora, deverá rever a decisão e amenizar as barreiras.

No caso do transporte de animais vivos, a liberação vai depender de protocolos entre os Estados e o Mato Grosso do Sul. O ministério irá orientar os trabalhos. O único a se recusar a entrar no entendimento foi Santa Catarina. O estado é considerado área livre de aftosa sem vacinação.

A reunião também teve um tom político. Antes de negociar a suspensão das barreiras, os secretários estaduais atacaram as declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Portugal, sobre a responsabilidade pela sanidade do rebanho ser do pecuarista e não do governo.

O ministro Roberto Rodrigues (Agricultura) não participou da reunião, mas adotou um tom conciliador. Em Piracicaba, no interior de São Paulo, ele deu uma entrevista onde voltou a afirmar que faltaram recursos para a defesa sanitária, mas disse que a responsabilidade pelo foco deve ser compartilhada entre governo e produtores.

O secretário de Agricultura de Goiás, Roberto Balestra é forte candidato a autor da declaração mais sincera – também de gosto mais duvidoso – desde que estourou a crise da aftosa na segunda-feira.

Balestra disse que o Estado está "eufórico com o foco de Eldorado, porque Goiás poderá exportar mais com o embargo imposto à importantes Estados que comercializam carne no mercado externo. Fizemos o dever de casa e seremos recompensados por isso".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 22 de Janeiro de 2018
Domingo, 21 de Janeiro de 2018
10:00
Receita do dia
Sábado, 20 de Janeiro de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)