Cassilândia, Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2021

Últimas Notícias

27/04/2013 14:33

Ação do MPE pede punição por descumprimento de TAC

Campo Grande News/ Luciana Brazil

O MPE (Ministério Público Estadual) move ação civil pública para obrigar o curtume Qually Peles, no Indubrasil (Distrito Industrial de Campo Grande), a funcionar só após a obtenção das licenças ambientais. A empresa pode pagar cerca de meio milhão de reais em multas por não cumprir o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta). Na ação, ajuizada em fevereiro deste ano, também estipula multas diárias que variam de R$ 1.771 mil a R$ 17.710 mil, dependendo das irregularidades cometidas.

A ação, impetrada pelo MPE, se refere ao descumprimento do TAC assinado em 2010, com o MPE e a Semadur (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano). Com o termo, a empresa se comprometia a atender as exigências legais feitas pelo órgão.

Por falta de cumprimento das determinações do TAC, entre outras irregularidades, a empresa já havia sido fechada, em fevereiro deste ano, mas apesar da interdição, continuava a funcionar. Na última quarta-feira (27), o curtume foi novamente interditado.

A última licença ambiental concedida para o curtume era válida até abril de 2012, segundo a Semadur. Desde então, a indústria funcionava sem o devido licenciamento, além de não ter o certificado de vistoria do Corpo de Bombeiros.

Conforme o TAC de 2010, a empresa deveria ter cumprido uma serie de obrigações. No entanto, segundo um relatório da Semadur, feito em 25 de janeiro deste ano, apenas algumas exigências foram desempenhadas.

O curtume teve mais de três anos para cumprir as determinações feitas pelo Ministério Público, como ressalta o promotor da 34° promotoria de Justiça de Campo Grande, Alexandre Lima Raslan, que acompanha o caso.

No ano passado, um mês antes de vencer o prazo da licença, a empresa chegou a solicitar a renovação de Licença de Operação. Porém, de acordo com o relatório da Semadur, não foi “possível emitir o documento, já que o sistema de controle ambiental (da empresa) não estava completamente adequado”.

Ainda segundo o balanço da Secretaria de Meio Ambiente, a atividade do curtume gera efluentes líquidos e resíduos sólidos perigosos. O local também não possui aterro para disposição final dos resíduos sólidos industriais e não possui um Plano de Gestão para esses resíduos industriais.

Entre outras considerações, está o lançamento de resíduos tratados no córrego, que está acima dos limites estabelecidos pelo Conama (Conselho Nacional do meio Ambiente).

Alvo de protesto, a empresa foi notificada várias vezes e está em funcionamento desde 2003.

Segundo Raslan, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente tem meios para interromper a atividade da indústria, e por isso cogitou-se até penalizar a Prefeitura de Campo Grande, caso não tomasse providências quanto ao funcionamento irregular do curtume.

“O Município não precisa nem da polícia e nem do Ministério Público para fazer valer a interdição. A interdição no papel é apenas uma das várias providências que podem ser tomadas”, explicou Raslan. Segundo ele, a prefeitura tem o “dever” de tomar atitude quanto ao descumprimento da ordem.

Moradores da região fizeram protesto no último dia 11. Alguns moradores dizem que a indústria lança restos de couro em um terreno baldio que fica ao lado da empresa.

Na quinta-feira, a Prefeitura interditou o curtume.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 28 de Janeiro de 2021
Quarta, 27 de Janeiro de 2021
Terça, 26 de Janeiro de 2021
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)