Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

26/08/2016 18:00

A vida do Bandeira

Corino Rodrigues Alvarenga

O apelido Bandeira parece uma piada pronta, afinal é assim como sempre ficou conhecido Altino Marques Formiga, já que o tamanduá-bandeira alimenta-se de formiga e daí, de forma irônica, ele passou a ser chamado de Bandeira.

Altino Formiga nasceu na Paraíba, na cidade de Souza, no dia 10 de março de 1926, filho de Antônio Marques Formiga e Francisca Rodrigues Formiga. Estudar nunca foi o seu forte e ele frequentou a escola até a terceira série primária. Trocou o banco da escola pelo trabalho árduo ao lado do pai.

Ele lembrou que naqueles tempos de seca inclemente no sertão nordestino, a vida estava realmente muito difícil. Apesar disso, ele foi à luta, ganhou a luta pela sobrevivência e casou com Maria Alice Formiga de Sá, no dia 31 de julho de 1946. Ela era de família influente, de fazendeiros e políticos, muito conhecida na Paraíba. E nasceram os filhos: Sônia, Lisieux (a primeira professora deste historiador e esposa de Nelsinho do Escritório Contalex), Lusimar, Solange, Antônia e Osmar.

- A situação lá em Souza não estava boa. Por intermédio de informações de parentes de Catanduva, resolvemos vir para o interior de São Paulo, que naquela época prometia mais do que o sertão nordestino – lembrou Bandeira, acrescentando que no ano de 1951 a família chegou ao interior paulista, para trabalhar com transporte de carga em seu caminhão com motorista particular.

Um dia resolveu ouvir os conselhos do amigo Antônio Ananias e veio para a nossa região com suas terras férteis e promissoras. Mas ele confessou que ao chegar aqui ficou decepcionado, pois as estradas eram muito precárias e as dificuldades maiores ainda.

Seu Bandeira disse que uma viagem até Paranaíba, terra imortalizada na obra Inocência, de Visconde de Taunay, chegava a demorar até oito dias, chegando a ficar mais de uma semana para chegar em Três Lagoas, localizada a cerca de 280 quilômetros daqui. Era atolando e abrindo picadas e desvios, enfim, um drama que só viveu para contar.

O nosso amigo Bandeira teve em Sebastião Leal um grande amigo, sendo este o responsável pela recepção em terras de Cassinha. E assim Bandeira foi nomeado motorista da Prefeitura de Cassilândia na gestão de Leal, lá pelo ano de 1954.

Ele foi também taxista durante anos, transportador de tijolos, telhas, materiais e cargas diversos, e até motorista de caminhão basculante. Estava a fazer carretos de Paranaíba, Aparecida do Taboado, Três Lagoas, Alto Tamandaré e a outras regiões.

Enquanto ele estava na estrada, a esposa Maria Alice atuava como agente dos Correios, além e professora de artes manuais nas escolas de primeiro grau; depois passou a vender roupas feitas e joias. O dinheiro que entrava servir para as despesas do lar e assim a família foi progredindo.

Há algumas histórias lembradas pelo amigo Bandeira. Ele passou a morar na rua de seu compadre, isto é, Laudemiro Ferreira de Freitas, uma justa homenagem a outro pioneiro.

- Eu lembro das jardineiras. Eram uns caminhões adaptados para ônibus. Na frente, a cabine; no meio, três sessões para passageiros e no fim da carroçaria ficava a seção de cargas e volumes – disse ele com um brilho dos olhos fincados no passado.

Ao ser entrevistado por este historiador, ele se apresentou com sua baixa estatura, ligeiramente gordo, com uma barriga expressiva e um sorriso fácil e amigo, naquele ano de 1985.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Setembro de 2020
Quinta, 24 de Setembro de 2020
14:18
Luto
Quarta, 23 de Setembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)