Cassilândia, Domingo, 28 de Maio de 2017

Últimas Notícias

10/05/2005 12:36

À espera de melhores preços, produtor segura a soja

Fernanda Mathias / Campo Grande News

À espera de melhores preços, produtores estão segurando a soja como podem em Mato Grosso do Sul. Segundo a Granos Corretora de Grãos, hoje 42% da produção, de 3,8 milhões de toneladas do grão, ainda não estão comprometidos. Dos 58% já comprometidos foram efetivamente comercializados 36%.
Diante de um cenário de preços desanimador frente aos custos de produção, as vendas antecipadas tiveram uma retração brusca. O diretor da Granos, Carlos Dávalos, explica que no ano de 2003 foram comercializados antecipadamente 65 % da produção e no ano passado 45%. Este ano somente 12% haviam sido comercializados até a colheita.
“É uma distância muito grande. O produtor ainda está esperando um momento melhor para negociar”, diz. Ele analisa que por um lado na série histórica em dólar os preços estão bons, entre US$ 11,50 e US$ 11,60 a saca de 60 quilos, mas em reais são baixos, fechando a R$ 28,50 nos melhores negócios, no sul do Estado.
O presidente do Sindicato Rural de Dourados, Gino José Ferreira, afirma que a situação do produtor é preocupante. “Tem muita soja de R$ 25,00 a saca e este valor não cobre nossos custos”, afirma. Devido à deficiência de armazenagem muitos produtores estão escoando a soja para as multinacionais, mas sem efetivar a negociação, à espera de uma melhora no cenário.
Além dos preços ruins, o sojicultor teve grandes prejuízos por conta da estiagem. Considerando que a safra esperada era de 5 milhões de toneladas, foram perdidas cerca de 1,2 milhão devido à estiagem. Por um lado a quebra evitou o abarrotamento de estoques que uma safra cheia poderia trazer.
Já no milho safrinha as perdas chegam a 90% em Dourados, principal pólo produtor do Estado. “O produtor tem arcado com altos preços de insumos enquanto a soja caiu de um patamar de R$ 50 a R$ 25, sem redução de custos. O produtor investiu muito em tecnologia e produtividade e faltou política agrícola compatível”, afirma Ferreira.
Este ano a Coagri (Cooperativa Agropecuária e Industrial de Dourados) recebeu em seu estoque 815 mil toneladas de soja, 47% a mais que no ano passado e cerca de 50% já estão comercializados, enquanto no mesmo período em 2004 eram de 65% a 68%. O gerente comercial da cooperativa, Joni Messias, explica que em termos de mercado o principal problema é a baixa cotação do dólar, fechado ontem em R$ 2,45. Embora o valor de venda esteja fechando acima da série histórica de US$ 9,00 a saca, em reais acaba bem menor.
No ano passado, por exemplo, quando chegou a US$ 10,50 o produtor recebia R$ 33,60, com o dólar a R$ 3,20. Ontem a US$ 11,50 recebeu R$ 28,00. A isso se soma outro problema: os insumos para o plantio foram comprados quando o dólar estava na maior cotação, o que significa perda de renda ao produtor.
Tudo leva a crer que no fim deste ano o estoque restante seja maior que o do ano passado, quando a Coagri fechou com 10% dos grãos recebidos. Esse cenário, porém, pode mudar se o produtor sentir necessidade de escoar o produto para formar caixa para a próxima safra ou se surgir momentos positivos no mercado. Neste último caso vai depender de questões climáticas na safra norte-americana e chinesa. A Coagri recebe soja de 1,2 mil a 1,4 mi produtores.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 28 de Maio de 2017
Sábado, 27 de Maio de 2017
10:00
Receita do Dia
Sexta, 26 de Maio de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)