Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Sábado, 17 de Abril de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Veja uma churrascaria chinesa

Edla Lula/ABr - 21 de maio de 2004 - 08:40

Antônio Milena/ABr
Antônio Milena/ABr

Na terra do chá, não é o café que forma com o samba e com o futebol o trio de especialidades brasileiras mais conhecidas. O que conquistou o gosto dos chineses foi o churrasco gaúcho. Existem mais de 400 churrascarias no país, nem todas dirigidas por brasileiros.

“Os mistérios do sabor do churrasco são quase tão fascinantes quanto a técnica do Ronaldo ou a música forte do povo latino”, diz Chen Wei, diretor de uma academia de música de Pequim. Ele conta que conheceu o churrasco há três anos, levado por um amigo. “Depois que provei a carne brasileira, criei o hábito de sempre ir à churrascaria”.

O comerciante Mi Bao Guo acha o sabor exótico, “algo diferente de qualquer carne que a gente come na China, na Coréia ou outro país da região”. Já o empresário Wang Guang Tun gosta de ir à churrascaria para realizar reuniões de trabalho. “Escolho a maior mesa e ponho todos os negociadores sentados. Enquanto comemos e bebemos em ambiente bem brasileiro, tomamos decisões importantes. Com seriedade, mas também com bom humor”, relata, sentado ao lado de outros seis empresários, à mesa da churrascaria Beijing Brasil, que ocupa uma grande área num antigo casarão.

No interior da típica arquitetura chinesa, a impressão que se tem é de estar numa legítima churrascaria gaúcha, com mesas compridas e dezenas de garçons circulando a todo instante, exibindo espetos de picanha, maminha, cupim, frango e outras carnes.

Cultura

O “ambiente bem brasileiro” de que fala Wang se deve à receptividade dos atendentes e garçons que a todo instante distribuem sorrisos. “Aqui eles são bem acolhedores”, diz. Para completar, uma seleção de músicas brasileiras, que vai do samba ao sertanejo. A idéia é que, através do restaurante conheçam um pouco mais da cultura brasileira”, explica o gerente Célio Cella, que vez por outra contrata uma dupla de dançarinos brasileiros para ensinar aos fregueses os passos do samba, da lambada e do pagode.

Durante a Copa do Mundo de Futebol do Japão e da Coréia, ele instalou telões e decorou o ambiente com bandeiras brasileiras para atrair a clientela nos dias de jogos do Brasil. Há dez anos morando em Pequim, Cella conta que no início foi difícil convencer os chineses. “Tivemos que investir muito em publicidade, ensinar a ele como se servir da carne e abrir o apetite deles”, lembra o gaúcho. "Até precisei mostrar, nos frigoríficos, os cortes certos", acrescenta.